terça-feira, 29 de abril de 2014

Banquete de Satanás!


Banquete de Satanás! - Charles Spurgeon 1858
Charles Spurgeon, 28 de novembro de 1858
No Music Hall, Royal Surrey Gardens

"Todo mundo traz o vinho primeira escolha - e então o pior vinho após os convidados tiveram a beber demais, mas você salvou o melhor até o último! " João 2:10
O governador da festa disse que mais do que ele pretendia dizer, ou melhor, há mais verdade no que ele disse que ele mesmo imaginava. Esta é a regra estabelecida todo o mundo sobre: "O vinho primeira escolha - e então o pior vinho após os convidados tiveram a beber demais." É a regra com os homens, e não centenas de corações decepcionados lamentou-lo? Amizade primeiro - a língua oleosa, as palavras mais suaves do que a manteiga - e depois a espada desembainhada. Aitofel primeira apresenta o prato nobre de
amor e bondade para com Davi - então depois o que é pior, pois ele abandona seu mestre, e se torna o conselheiro de seu filho rebelde.

Judas apresenta em primeiro lugar o prato do discurso justo e de bondade, o Salvador participou dela, ele caminhou até a casa de Deus em companhia com ele, e teve conselho doce com ele, mas depois veio a borra do vinho, "Ele quem come o pão comigo levantou contra mim o calcanhar! " Judas, o ladrão traiu seu Mestre, trazendo à tona mais tarde "o que é pior."

Você encontrou assim com muitos a quem você pensou que seus amigos. No auge da prosperidade, quando o sol estava brilhando, e os pássaros cantavam, e tudo era justo e jovial e alegre com você - que trouxe o bom vinho. Mas chegou uma geada refrigeração, e cortado suas flores e as folhas caem das árvores, e os seus fluxos foram fosco com o gelo - e então eles trouxeram o que é pior - que abandonaram e fugiram, deixaram-lo em sua hora do perigo, e lhe ensinou que grande verdade, que "Maldito é aquele que confia no
homem, e faz da carne o seu braço!" E este é o caminho todo o mundo sobre.

Isso não mundo nos servir do mesmo jeito? Em nossa juventude ela produz o melhor vinho e, depois, temos o olho brilhando, e os ouvidos sintonizados com a música, em seguida, o sangue flui rapidamente através das veias e o pulso bate alegremente, mas espere um pouco e sairá depois que é pior. Primeiro, há o copo que flui da juventude - e depois as águas estagnadas da velhice, a menos que Deus deve expressos naquelas dregs uma inundação fresca da sua misericórdia bondade amorosa e terna, para que mais uma vez, como sempre acontece com o cristão, o copo deve atropelado e, novamente, brilham com prazer. O cristão
confiança não nos homens, não confies nas coisas do tempo presente, pois esta é sempre a regra com homens e com o mundo, "O vinho primeira escolha - e então o pior vinho após os convidados tiveram a beber demais ! "

Esta manhã, porém, estou prestes a apresentá-lo a duas casas de festa . Primeiro, eu convido você, olhar para dentro das portas do diabo casa, e você vai descobrir que ele é fiel a esta regra: ele produz primeiro o vinho bom e, quando já têm bebido bem, e seus cérebros são confusos com isso, então ele traz à tona o que é pior. Tendo ordenado você olhar lá e tremer, e prestar atenção ao aviso, vou então tentar entrar com você na casa do banquete do nosso amado Senhor e Mestre Jesus Cristo, e dele poderemos dizer, como o governador de a festa disse ao noivo: "Você salvou a melhor até o último! " Suas festas crescer melhor e não pior! Seus vinhos se tornam mais ricos, os seus manjares são daintier longe, e os seus dons mais preciosos do que antes. "Você salvou a melhor até o último! "

I. Tome um olhar de advertência na casa do banquete, que Satanás tem construído. Porque, assim como a sabedoria construiu sua casa, e lavradas as suas sete colunas - por isso tem loucura seu templo e sua taberna do banquete, no qual ele tenta continuamente os incautos. Olhe para dentro de casa do banquete, e vou mostrar-lhe quatro mesas e dos convidados que se sentam thereat, e como você olhar para as
tabelas que você deve ver os cursos trazido para dentro.

1. O devasso. Na primeira mesa a que me deve convidar a sua atenção, embora eu imploro que você nunca para se sentar e beber por causa disso, sente-se a devassa . A tabela da devassa é um mirthful tabela, que é coberto com um vermelho berrante, e todos os vasos sobre o olhar extremamente brilhante e reluzente. Muitos há que se sentam thereat, mas eles não sabem que eles são os convidados do Inferno, e que o fim de toda a festa será nas profundezas da perdição!
Veja agora o grande governador da festa, como ele vem dentro Ele tem um sorriso irônico no rosto, suas roupas não são negros - mas ele está vestido com uma túnica de muitas cores, ele tem uma palavra mel no lábio, e uma bruxaria tentadora no brilho dos seus olhos. Ele traz no copo, e diz: "Ei, rapaz, beber aqui, resplandece no copo, ele move-se corretamente. Você vê isso? É a taça de vinho de prazer ".
Esta é a primeira taça no banquete casa de Satanás. O jovem leva-lo, e goles da bebida. No começo é um gole cauteloso, é mas um pouco ele vai tomar, e então ele vai se conter. 

Ele não pretende entrar muito em luxúria, ele quer dizer não para mergulhar de cabeça em perdição. Existe uma flor lá na beira do penhasco que: ele vai chegar um pouco mais adiante e lança-o, mas não é a sua intenção de frustrar-se de que penhasco rochoso e destruir a si mesmo. Nem ele! Ele acha mais fácil guardar o copo quando ele provou seu sabor!
Ele não tem nenhum projeto para abandonar-se a sua embriaguez. Ele leva um pequeno calado. Mas oh, como é doce! Como ele faz o seu sangue formigar dentro dele! "Que idiota eu não era para ter experimentado isso antes!" ele pensa. Foi sempre a alegria como este? Poderia-se pensar que os corpos poderiam ser capazes de êxtase como este?
Ele bebe novamente, desta vez ele leva um maior calado, e o vinho é quente em suas veias. Oh, quão feliz é ele! O que não disse agora no louvor de Baco ou Vênus , ou qualquer forma Belzebu escolhe assumir? Ele se torna um orador muito em louvor do pecado! É lindo, é agradável, a condenação profunda da luxúria aparece como alegre como o transporte do céu. Ele bebe, ele bebe, ele bebe novamente, até que seu cérebro começa a bobina com a embriaguez de
seu prazer pecaminoso.

Este é o primeiro curso. Beber, Ó bêbados de Efraim, e se ligam a coroa de orgulho sobre sua cabeça, e chamam-nos tolos, porque colocar o seu copo para longe de nós. Beba com a meretriz, e cear com o luxurioso, você pode pensar-se sábio para fazê-lo - mas sabemos que depois destas coisas, lá vem algo pior, por sua vinha é a vinha de Sodoma e dos campos de Gomorra ; seu as uvas são uvas venenosas , os
cachos são amargos, o seu vinho é veneno de serpentes, e peçonha cruel de víboras.
Agora, com um olhar malicioso em sua testa, o governador sutil da festa se levanta de sua cadeira. A vítima teve o suficiente do melhor vinho. Ele tira esse copo, e ele nos traz um outro, não tão brilhante. Olhe para o licor, mas não é frisado mais com as bolhas espumantes de êxtase, é tudo plano, e sem brilho, e insípida: chama-se a xícara de saciedade . O homem teve o suficiente de prazer, e como um cão vomita, embora como um cão que ele vai voltar ao seu vômito, mais uma vez. Quem são os ais? Quem tem os olhos
vermelhos? Aqueles que se demoram em beber vinho. Agora estou falando figurativamente de vinho, bem como literalmente.

O vinho da luxúria traz a vermelhidão dos olhos mesmo, a devassa logo descobre que todas as rodadas de fim de prazer na saciedade.
"Qual", diz ele, "o que mais posso fazer Não, eu cometi todos os maldade que se pode imaginar, e eu ter drenado todo? xícara de prazer Dá-me algo de novo eu tentei os teatros em todo;.! lá, Eu não me importo tanto quanto um tostão único para todos eles. eu ter ido para qualquer tipo de prazer que eu posso conceber. É todo. Gaiety própria cresce plano e maçante. O que devo fazer? " E este é o segundo curso do diabo - o curso de saciedade - uma sonolência intermitente, o resultado do excesso anterior.
Milhares são os que estão a beber do copo de mau gosto de saciedade todos os dias, e alguma invenção romance pelo qual eles podem matar o tempo , alguma nova descoberta em que eles podem dar um respiro fresco para a sua maldade - seria uma coisa maravilhosa para eles! E se algum homem subisse que poderia encontrar para eles um novo tipo de maldade, algumas profundidades nas profundezas do inferno mais de lascívia - eles bendizei o seu nome por ter dado a eles algo novo para excitá-los.

Esse é segundo curso do diabo. E você vê-los participando dele? Há alguns de vocês que estão a ter um projecto profundamente. Vocês são os cavalos cansados do demônio da luxúria , os seguidores desapontados da vontade-wisp o'-the-prazer.
Deus sabe, se você fosse falar o seu coração, você seria obrigado a dizer: "Não tentei prazer, e eu não encontrá-lo prazer;! Eu ter ido a rodada, e eu sou como o cavalo cego em da usina, eu tenho que ir de novo eu sou spell-bound e cativo ao pecado -. mas eu não posso ter prazer em se agora como fiz em tempos, por toda a sua glória é como uma flor murcha, e como o apressado fruto antes do verão. " A enquanto a Feaster permanece no mar pútrido de sua paixão, mas uma outra cena está se abrindo.

O governador da festa comanda outro licor a ser abordado. Desta vez, o demônio tem um preto taça, e ele apresenta-a com os olhos cheios de fogo do inferno, piscando com a condenação feroz. "Beba isso, senhor!" , diz ele, e os goles homem ele, e começa a voltar e grita: "Ó Deus, que sempre devo vir a este!" Você deve beber, senhor. Aquele que quaffs o primeiro copo, deve beber o segundo eo terceiro.
Beber, mesmo que seja como o fogo em sua garganta! Beba-o, ainda que seja como lava fervente em seu estômago! Beba! você deve beber! Aquele que peca - deve sofrer, ele que é um libertino em sua juventude - deve ter podridão nos seus ossos, e doença dentro de seus lombos. Ele que se rebela contra as leis de Deus - deve colher a colheita em seu próprio corpo aqui. Oh! há algumas coisas terríveis que eu possa lhe dizer deste terceiro curso. Casa de Satanás tem uma frente câmara cheia de tudo o que é atraente para os
olhos e encantar com o gosto sensual, mas há uma volta da câmara, e ninguém sabe, ninguém viu o conjunto de seus horrores.

Há uma câmara secreta, onde ele fora pás as criaturas que ele próprio destruído - uma câmara, debaixo cujo chão é o chamas do inferno, e acima de cujos conselhos o calor do que cova é sentida. Pode ser um médico local, ao invés de mina, para dizer dos horrores que alguns têm que sofrer como resultado da sua iniqüidade. Deixo isso, mas deixe-me dizer o perdulário perdulários que a pobreza que ele vai suportar é o resultado de seu pecado de seu luxo e extravagância; deixá-lo saber também que o remorso de consciência que irá ultrapassá-lo não é uma coisa acidental que cai por acaso do Céu, é o resultado de sua própria iniqüidade, pois, depender dele, os homens e irmãos, o pecado traz uma miséria infantil em seu útero - e, mais cedo ou mais tarde ele deve entregar sua criança terrível! Se semearmos a semente - é preciso fazer a colheita. Assim, a lei da casa do inferno está - "primeiro, o bom vinho -., Em seguida, depois, o que é pior"
O último curso continua a ser apresentado. E agora, vocês, homens fortes, que zombam no aviso, que eu ficaria feliz em lhe oferecer, com a voz de um irmão e com um coração afectuoso, embora com linguagem grosseira. Venha aqui, e beba deste último copo!

O pecador tem no final trouxe-se para o túmulo. Suas esperanças e alegrias eram como ouro colocado em um saco cheio de buracos, e todos eles têm desaparecido - desapareceu para sempre, e agora ele veio para o passado - seus pecados assombrá-lo, suas transgressões perplexo ele, ele é tomado como um touro em uma rede, e como ele deve escapar? Ele morre, e descende de doença a condenação!
deve tentar a linguagem mortal, para lhe dizer que os horrores da última taça enorme de que a devassa deve beber - e beber para sempre?
Olhe para ele: você não pode ver suas profundezas - mas lançar um olhar sobre a sua superfície fervente. Eu ouço o barulho de correr para lá e para cá, e um som como o de ranger de dentes eo choro de almas desesperadas. Eu olho para esse copo, e eu ouço uma voz vindo de suas profundezas - "Estes devem ir para o castigo eterno!"
"Tofete está preparado de idade, a sua pira é de madeira e muita fumaça, o sopro do Senhor, como uma torrente de enxofre a acenderá-lo!" E o que você disser a este último curso de Satanás? "Quem dentre nós habitará com o fogo consumidor?"
Perdulários, peço-vos, em nome de Deus, foge desta tabela! Oh, não ser tão descuidado em seus copos, não ser tão adormecido, seguro na paz que você agora divirta-se! A morte está à porta, e em seus calcanhares é a destruição rápida!

Quanto a você, que ainda não foram impedidos por um pai cuidadoso e da vigilância de uma mãe ansiosa - Rogo-vos, para evitar a casa do pecado e loucura . Deixe as palavras do homem sábio ser escrito em seu coração, e estar atento a eles na hora da tentação - "Meu filho, preste atenção à minha sabedoria, escuta bem as minhas palavras de insight, que você pode manter a discrição e os teus lábios pode preservar . conhecimento Para os lábios de um mel de gotejamento adúltera, e sua fala é mais suave que o azeite, mas no fim ela é amarga como fel, afiada como uma espada de dois gumes. Os seus pés descem à morte;. seus passos levar-nos directamente para o Inferno . " Provérbios 5:1-5 22

2. Os hóspedes auto-justificadas Você vê que lá outra mesa, no meio do palácio? Ah, boas almas morais! Muitos de vocês pensou que você nunca foi à festa do inferno em tudo, mas não existe uma tabela para
você também, que é coberto com um pano branco justo, e todos os vasos sobre a mesa são mais limpa e bonita. O vinho parece em nada com o vinho de Gomorra - que se move corretamente, como o vinho das uvas de Escol, que parece não ter intoxicação nela: é como o vinho antigo que eles pressionaram a partir da uva no copo, tendo em que nenhum veneno mortal. Você vê os homens que se sentam nesta mesa? Como auto-satisfeito que eles são! Pergunte aos demônios brancos que esperam nele, e eles vão te dizer:
"Esta é a tabela da auto-justos - o fariseu se senta lá.
Você pode conhecê-lo, ele tem o seu talismã entre os olhos, a orla de sua roupa é feita amplíssimo, ele é um dos melhores dos melhores professores. "Ah!" diz que Satanás, como ele chama a cortina e desliga-se da mesa onde os devassos são farra ", ser calmo, não fazer muito barulho, para que estes hipócritas deve adivinhar qual empresa eles estão dentro Essas pessoas hipócritas são a minha convidados tanto quanto você, e eu tê-los tão de forma segura. "

Então Satanás, como um anjo de luz, traz uma taça dourada , parecendo o cálice da mesa de comunhão. E o vinho que é isso? Parece ser o vinho muito da Eucaristia sagrado, que é chamado de vinho de auto-satisfação , e ao redor da borda que você pode ver as bolhas de orgulho . Olhe para o inchaço espuma sobre a bacia, "Deus, eu te agradeço porque não sou como os demais homens - os roubadores, injustos e
adúlteros, nem ainda como este publicano." Você sabe que a taça, minhas auto-enganar os leitores.
Oh, que você sabia que a cicuta mortal que é misturado nela!
"O pecado como os outros homens não você, não em tudo Você não vai submeter-se à justiça de Cristo, o que preciso de você Você é tão bom quanto seus vizinhos:? Você merece ser salvo Não paga?. ? todos vinte xelins por libra Alguma vez você roubar alguém na sua vida Você faz os seus vizinhos uma boa volta;? você é tão bom como as outras pessoas ".

Essa é a primeira taça do diabo dá, eo bom vinho faz você inchar com a auto-importante dignidade, como suas emanações entrar em seu coração e soprar-lo com um orgulho maldito . Sim, eu vejo você sentado na sala tão limpa varrida e tão bem decorado, e vejo as multidões de seus admiradores que estão ao redor da mesa, mesmo muitos dos próprios filhos de Deus, que dizem: "Oh, que eu fosse tão bom como ele! " Enquanto a humildade muito dos justos lhe fornece forragem para seu orgulho!
Espere um pouco, você hipócrita untuoso, espere um pouco, pois não há um segundo curso para vir. Satanás olha com tão auto-satisfeitos um ar sobre seus convidados neste momento - como ele fez sobre a tropa de baderneiros.

"Ah!" diz ele, "Eu traí os companheiros alegre com a taça de prazer - eu dei-lhes depois o cálice maçante de saciedade E eu enganei você, também,. você acha-se tudo bem - mas eu te enganou duas vezes, eu iludida você de fato. "
Então, ele traz um cálice que, às vezes, ele mesmo não gosta de servir. É chamado de xícara de descontentamento e inquietação de espírito, e muitos há que têm de beber isso, afinal a sua auto-satisfação.
Você não acha, você que é muito bom em sua própria estima, mas não tenho interesse em Cristo, que quando você se senta sozinho e começar a entregar as suas contas para a eternidade, eles não fazem praça de alguma forma - que você não pode encontrar o equilíbrio justamente para o seu próprio lado, afinal, como você pensou que poderia? Você não encontrado às vezes, que quando você pensou que
estava de pé sobre uma rocha , houve um tremendo debaixo dos seus pés? Você ouviu o cantar cristão corajosamente, "Negrito devo ficar nesse grande dia, Para que qualquer coisa a meu encargo leigos?
Enquanto através do seu sangue eu sou absolvido Da tremenda maldição do pecado e vergonha. "
E você disse: "Bem, eu não posso cantar que eu tenho sido tão boa como Churchman já viveu, eu nunca perdi indo para a minha igreja todos estes anos -. Mas não posso dizer que tenho uma confiança sólida . " 

Você teve uma vez a esperança de auto-satisfação, mas agora o segundo curso começou a chegar, e você não está tão contente. "Bem", diz outro, "Eu estive em minha capela, e eu fui batizado e fez uma profissão de religião, embora eu nunca foi levado a conhecer o Senhor com sinceridade e com verdade, e eu pensava que era tudo bem comigo - mas eu quero uma coisa que não consigo encontrar ". Agora vem uma agitação no coração. Não é tão deliciosa quanto um suposto construir em one própria justiça. Ah! que é o segundo curso. Espere um pouco, e talvez no mundo -, mas certamente na hora da morte, o diabo trará no terceiro copo de espanto com a descoberta de sua condição perdida. Quantos um homem que tem sido hipócrita toda a sua vida foi, no passado, descobriu que a coisa em que ele colocou sua esperança tinha falhado com ele! Já ouvi falar de um exército que, sendo derrotado em batalha, esforçou-se para fazer um retiro boa. 

Com todas as suas forças, os soldados fugiram para um certo rio, onde esperava encontrar uma ponte através da qual eles poderiam recuar e estar em segurança. Mas quando eles vieram para o fluxo, ouviu-se um grito de terror, "A ponte está quebrada, a ponte está quebrada!" Tudo em vão foi o grito, pois a multidão correndo por trás pressionado sobre aqueles que eram antes, e forçou-os para o rio, até que o
fluxo foi saturado com os corpos de afogados. Esse deve ser o destino da auto-justos. Você achava que
havia uma ponte de cerimônias ; que a confirmação, batismo e ceia do Senhor, a confecção dos arcos de uma ponte sólida de boas obras e deveres. Mas quando você vem a morrer, não deve ser ouvido o grito - "A ponte está quebrada, a ponte está quebrada!" Será em vão para você se virar depois. A morte está perto atrás de você, ele força você a frente, e você descobre o que é morrer por ter negligenciado a grande
salvação, e tentar salvar a si mesmo através de suas próprias boas obras.

Este é o curso penúltima: o seu curso e em último lugar, o pior vinho - sua porção eterna deve ser a mesma que a do perdulários. Tão bom quanto você pensava-se ser, na medida em que você orgulhosamente rejeitaram a Cristo, você deve beber o cálice do vinho da ira de Deus, que o copo que está cheio de tremor. Os ímpios da terra deve torcer para fora a borra do vinho, e bebê-los, e você também deve beber-lo tão
profunda como elas. Oh, cuidado na hora! Deixe de lado sua aparência alta e humilhar-vos sob a poderosa mão de Deus. Crê no Senhor Jesus Cristo e serás salvo.

3. OS CONVIDADOS MUNDANOS
Você tem, por enquanto, escapou do chicote; mas há uma terceira tabela, lotado com a maioria dos convidados ilustres. Acredito que tenha havido mais príncipes e reis, prefeitos e vereadores, comerciantes e grandes sentados nesta mesa, do que em qualquer outro. Ela é chamada de tabela de mundanismo.
"Uma ova!" , diz um homem, "bem, eu não gosto da devassa Não é o meu filho mais velho que eu estive trabalhando duro para economizando dinheiro toda a minha vida, e não há esse jovem, ele não vai ficar com negócios:.. ele tornou-se uma devassa reais . Estou muito contente que o ministro falou tão afiada quanto a isso Quanto a mim - não agora eu não me importo com o seu.! hipócritas as pessoas um centavo única; para mim, é de nenhuma importância em tudo, eu não me importo em tudo sobre a religião em menor grau, eu gostaria de saber se o aumento de fundos ou queda, ou se existe uma oportunidade de fazer um bom negócio, mas isso é tudo que me importa ".

Ah, mundano! Eu li de um amigo seu, que estava vestido de escarlate, e linho fino, e se saíram suntuosamente todos os dias. Você sabe o que aconteceu com ele? Você deve se lembrar que, para o mesmo fim espera -se . O fim de sua festa - deve ser o fim de seu. Se o seu deus é este mundo, depende de que você deve achar que seu caminho é cheio de amargura.
Agora, veja a tabela do homem mundano, o mundano simples que vive para o ganho. Satanás leva-o em um copo de fluir, "Não", diz ele, "rapaz, você está começando no negócio, você não precisa preocupar com os convencionalismos de honestidade, ou sobre o comum antiquado fantasias da religião; ficar rico o mais rápido como sempre você pode ganhar dinheiro, ganhar dinheiro, honestamente, se você pode - mas se não, obtê-lo de qualquer maneira ", diz o diabo, e para baixo, ele coloca sua caneca. "Não", diz ele, "é um projecto de formação de espuma para você." "Sim", diz o jovem, "eu tenho abundância agora. Minhas esperanças estão de fato realizada."

Aqui, então, você vê o primeiro vinho melhor e de festa, o mundano, e muitos de vocês estão tentados a invejar este homem. "Oh, que eu tinha essa perspectiva no negócio!" diz um deles. "Eu não sou metade tão forte como ele é, eu não poderia lidar como ele lida, minha religião não me deixaria.  Mas o quão rápido ele fica rico Oh, que eu poderia prosperar como ele faz.!"
Venha, meu irmão juiz, não antes do tempo, há um segundo curso para vir - o projecto de espessura e enjoado de cuidados . O homem tem o seu dinheiro, mas os que querem ser ricos caem em tentação, e cilada. Riqueza mal-chegado, ou mal utilizada, ou acumulado - traz um cancro com ele que não o cancro do ouro e prata -, mas corrompe o coração do homem, e um coração enferrujaram é uma das coisas mais
terríveis que um homem pode ter. Ah! ver esse dinheiro-amante, e marcar o cuidado que se senta em seu
coração.

Há uma mulher pobre que mora perto de sua porta-lodge. Ela tem apenas uma ninharia por semana - mas ela diz: "Abençoa Senhor, eu tenho o suficiente!" Ela nunca pergunta como ela está a viver, ou como ela está a morrer, ou como ela deve ser enterrado - mas dorme docemente no travesseiro de contentamento e fé . E aqui está este pobre tolo com ouro incontável, mas ele é miserável porque ele passou a soltar um pence, enquanto caminhava pelas ruas, ou porque ele tinha uma chamada extra sobre a sua caridade, a que a presença de algum amigo o obrigou a ceder , ou, talvez, ele geme, porque seu casaco se desgasta muito em
breve.

Depois vem a avareza . Muitos tiveram que beber daquele cálice, que Deus nos salvar de suas gotas de fogo! Um grande pregador americano disse: "A cobiça miséria raças A vista. casas melhores que a nossa, de vestido para além dos nossos meios, de jóias mais caras do que podemos usar, de equipagem imponente e curiosidades raras fora do nosso alcance - estas escotilha a víbora ninhada de pensamentos de cobiça; vexatório o pobre que seria rico; atormentando os ricos que seria mais rico avarento Os pinheiros para ver o
prazer;. é triste na presença de alegria, ea alegria do mundo é a sua tristeza, pois todos os felicidade dos outros não é dele. 

Não me admira que Deus abomina a ele. Ele inspeciona o seu coração como se fosse uma caverna cheia de pássaros sujos, ou um ninho de répteis chocalhando, e abomina a visão de seus inquilinos rastejantes. Para o avarento a vida é um pesadelo, e Deus lhe permite lutar com ele da melhor maneira possível. Mammon pode construir o seu palácio em um coração, e Pleasure trazer toda a sua folia lá, e honra todos os seus festões - como seria prazeres em um sepulcro, e guirlandas em um túmulo. " Henry Ward Beecher Quando um homem se torna avarento, tudo o que ele tem é nada para ele. "Mais, mais, mais!" , diz ele, como algumas
pobres criaturas em uma febre terrível, que choram, "Beba, beba, beba!" e dá-lhes de beber - mas depois que eles têm, aumenta a sua sede. Como o cavalo sanguessuga, eles choram, "Dá, dá, dá!" A avareza é uma loucura delirante, que procura compreender o mundo em seus braços - e ainda despreza a abundância que já tem. Esta é uma maldição do que muitos morreram, e alguns morreram com o saco de ouro em suas mãos, e com a miséria em cima de sua testa, porque eles não podiam levá-la com eles em seu caixão, e
não podia levá-lo para o eterno mundo!

Bem, então, lá vem o próximo curso. Baxter, e os pregadores terrível velho, usado para retratar o avarento , e o homem que vivia apenas para fazer ouro, no meio do inferno, e eles imaginavam Mammon derramando ouro derretido baixo sua garganta. "Não", dizem os demônios zombeteiros ", que é o que você queria, você tem agora, beber, beber, beber!" eo ouro derretido é derramado para baixo. Eu não poderá, contudo, entrar em qualquer imaginação tão terrível - mas uma coisa eu sei, aquele que vive para si mesmo aqui, deve perecer eternamente, aquele que define suas afeições sobre as coisas na terra, não cavou fundo - ele construiu sua casa sobre as areias, e quando a chuva desce, e as inundações chegarem - para baixo deve vir
a sua casa, e grande será a sua queda.

É o melhor vinho primeiro, porém, é o homem respeitável - respeitáveis e respeitados honras, todo mundo dele, e depois o que é pior, quando tem à miséria baixeza de sua riqueza, e a cobiça tem enlouquecido seu cérebro. É certo que virá, tão certo como sempre você se dá até o mundanismo .

4. Pecadores secretos. A quarta mesa está situado numa área muito isolada, em uma parte muito privada do palácio de Satanás. Há a mesa posta para os pecadores secretos , e aqui a velha regra é observada. "Todo mundo traz o vinho primeira escolha - e então o pior vinho após os convidados tiveram a beber demais, mas você salvou o melhor até o último! "
Nessa tabela, em uma sala bem escurecida, eu vejo um jovem sentado, e Satanás é o servo, pisando em tão
silenciosamente, que ninguém o ouviria. Ele traz o primeiro copo - e quão doce é! É o cálice de pecado secreto . "As águas roubadas são doces, e o pão comido às ocultas é agradável." Como doce que bocado, comer sozinho! Já houve uma que rolou tão delicadamente debaixo da língua?
Essa é a primeira, depois que ele nos traz um outro - o vinho de uma consciência inquieta . Os olhos do homem são abertos. Ele diz: "O que eu fiz? O que eu tenho vindo a fazer? Ah!" chora este Acã ", o primeiro copo que você me trouxe, eu vi brilhando em que uma cunha de ouro, e uma boa capa babilônica, e eu pensei, 'Oh, eu devo ter isso!" Mas agora meu pensamento é: 'Que hei de fazer para esconder isso, onde devo colocá-lo? Devo cavar. Ay, devo cavar fundo como o inferno antes de eu escondê-lo, para com
certeza ele vai ser descoberto. "

O governador sombrio da festa está trazendo uma tigela grande, preenchido com uma mistura de preto. As bebidas pecador secretos, e está envergonhado, ele teme que seu pecado vai encontrá-lo para fora. Ele não tem paz, nem felicidade, ele está cheio de medo inquieto, ele tem medo de que ele será detectado. Ele sonha à noite que há alguém atrás dele, há uma voz sussurrando em seu ouvido, e dizendo-lhe: "Eu sei tudo sobre ele, vou contá-la." Ele acha que, talvez, que o pecado que cometeu em segredo, vai sair com seus
amigos, o pai vai saber que ele, a mãe vai saber que ele. Sim, pode ser mesmo o médico vai dizer o conto, e blab o segredo miserável.
Para um homem tão não há descanso. Ele está sempre com medo de ser preso. Ele é como o devedor eu li de que, devido uma grande quantidade de dinheiro, estava com medo dos oficiais de justiça estavam atrás dele, e acontece um dia para pegar manga no topo de uma paliçada, disse: "Não, deixe-me ir , eu estou com pressa eu te pagarei amanhã ", imaginando que alguém estava pegando dele.. Essa é a posição em que o homem coloca-se ao tomar as coisas ocultas da desonestidade e do pecado. Assim, ele não
encontra descanso para a sola de seu pé por medo de ser descoberto.

Por fim, a descoberta vem, é o último copo. Muitas vezes vem sobre a terra, pois, ser certo que seu pecado vai encontrá-lo para fora, e ele geralmente encontrá-lo aqui fora. Que exposições são terríveis para ser visto em nossos tribunais de polícia de homens que são feitas para beber o projecto última negro da descoberta! O homem que presidiu a reuniões religiosas, o homem que foi homenageado como um santo, é desmascarado no passado. E o que diz o juiz – e opróbrio, e uma repreensão em todos os lugares.
Mas, suponhamos que ele deve ser tão astuto, que passa pela vida sem descoberta - embora eu acho que é quase impossível - o que é um copo que ele deve beber quando ele está em última antes de o tribunal de Deus! "Traga-o para trás, carcereiro! Goleiro Dread do calabouço do inferno, levar por diante o prisioneiro!" Ele vem! O mundo inteiro está montado. "Levante-se, senhor! Será que você não fazer
uma profissão de religião? Não todo mundo acha que um santo?" Ele é mudo. Mas muitos há que, em grande multidão que choram, "Nós pensamos que ele!" O livro é aberto, suas obras são lidas: transgressão depois de transgressão tudo nu descontraído.

Você ouve que assobiam? Os justos, mudou-se para a indignação, estão levantando suas vozes contra o homem que os enganou, e habitou entre eles como um lobo em pele de cordeiro. Oh, quão terrível deve ser para suportar o desprezo do universo! O bom pode suportar o escárnio dos ímpios - mas para os ímpios para suportar a vergonha e desprezo eterno que justa indignação vai heap sobre eles, será uma das coisas
mais terríveis, ao lado da resistência eterna da ira do Altíssimo , que, eu não preciso acrescentar, é o último copo de festa terrível do diabo com o qual o pecador secreto deve ser preenchido para todo o sempre.
Eu paro agora, mas é só para recolher a minha força para pedir que qualquer coisa que eu possa ter dito, que terá a menor influência pessoal sobre qualquer um dos meus ouvintes, não pode ser esquecido. Rogo-vos, homens e irmãos, se agora você está comendo a gordura e beber o doce do inferno do banquete, pausa e refletir o que o final será! Aquele que semeia para a carne, deve, da carne ceifará a corrupção. Aquele que semeia no Espírito, se, do Espírito colherá a vida eterna. Eu não posso poupar mais tempo para
que, com toda a certeza.

II. Mas você deve perdoar-me, enquanto eu ocupar apenas alguns minutos em levá-lo para a casa do Salvador , onde ele festas sua amada. Venha sentar-se conosco à mesa de Cristo de providências
externas . Ele não faz festa seus filhos depois da moda do príncipe das trevas - para a primeira taça que Cristo traz a eles é muitas vezes um copo de amargura . Não são seus próprios filhos amados, a sua própria redimido; que têm, mas alegria triste . Jesus traz o copo da pobreza e da aflição, e ele faz seus próprios filhos a beber, até que eles dizem, "Você me fez embriagado com absinto, e você me encheu de amargura." Este é o caminho de Cristo começa . O pior vinho primeiro . Quando o sargento começa com um jovem recruta, ele dá-lhe um shilling, e então, depois vem a marcha e a batalha.
Mas Cristo nunca leva seus recrutas assim. Eles devem contar o custo, para que não começar a construir, e não ser capaz de apreciar. Ele procura não ter discípulos que estão deslumbrados com primeiras aparições. Ele começa mais ou menos com eles, e muitos têm sido os seus filhos que descobriram que o primeiro curso de tabela do Redentor foi aflição, tristeza, pobreza, necessidade e. Em tempos antigos, quando o melhor do povo de Deus estavam à mesa, ele costumava servir pior deles, porque andaram em ovelhas de peles e cabras, desamparados, aflitos, dos quais o mundo não era digno - e eles continuaram bebendo dessas xícaras amargos para muitos um dia. Mas deixe-me dizer-lhe depois que ele trouxe copos doces para eles, e você que têm se preocupado ache isso.

Após a Copa do affliction - vem o copo de consolação , e, oh, quão doce é isso! Foi o privilégio destes lábios para beber o cálice, depois da doença e dor, e posso dar testemunho, que eu disse do meu Mestre: "Você manteve o melhor vinho até que enfim!" Era tão gostoso, que o sabor thereof que tirar todos os gostos da amargura da tristeza, e eu disse: "Certamente a amargura desta doença é todo o passado, pois o Senhor se manifestou a mim, e me deu o seu melhor vinho " Mas, amados, o melhor vinho está para vir último . O povo de Deus vai encontrá-lo assim para o exterior. O pobre santo vem a morrer. O mestre deu-lhe o copo da pobreza, mas agora não mais ele bebe mesmo, ele é rico para todos os intentos de bem-aventurança. Ele teve a taça da doença - ele beberá de que mais nenhum. Ele teve a taça da perseguição -
mas agora ele é glorificado, juntamente com o seu Mestre, e feito para se sentar no seu trono. As melhores coisas vêm passado a ele em circunstâncias exteriores.

Houve uma vez dois mártires queimados em Stratford-le-Bow, um deles era coxo, o cego e outro, e quando eles foram amarrados à estaca, o coxo homem pegou a muleta e atirou-a para baixo, e disse para o outro,
"Anime-se, irmão, este é o medicamento forte que deve curar-nos - não vou ser coxo dentro de uma hora desse tempo - nem deve ser cego" Não, as melhores coisas que eram para vir por último. Pensei muitas vezes que o filho de Deus é muito parecido com os cruzados. Os cruzados começou em sua jornada, e
eles tiveram que lutar contra seu caminho através de muitos quilômetros de inimigos e para marchar através de ligas de perigo. Você se lembra, talvez, na história, a história de que quando os exércitos do Duque de Bouillon chegou à vista de Jerusalém, saltaram de seus cavalos, bateram palmas e gritaram: "Jerusalém, Jerusalém, Jerusalém". Esqueceram-se de todas as suas labutas, todos cansaço da viagem e todas as
suas feridas, pois não havia Jerusalém em seus olhos. E como o santo no último grito, "Jerusalém, Jerusalém," quando a tristeza e toda a pobreza, e a doença são passado, e ele é abençoado com a imortalidade. O vinho ruim - ruim foi que eu disse? Nay o amargo vinho é levado embora, e o melhor vinho é trazido para fora, e o santo se vê glorificado para sempre com Cristo Jesus.

E agora, vamos sentar à mesa da experiência interior . A primeira taça que Cristo traz a seus filhos, quando eles se sentam na mesa, é uma pessoa tão amarga que, talvez, nenhuma língua pode jamais descrevê-lo - é o cálice da convicção do pecado . É um copo preto, cheio do amargor mais intenso. O apóstolo Paulo, uma vez bebeu um pouco dele, mas era tão forte que o deixou cego por três dias.
A convicção do seu pecado domina-o totalmente, ele só poderia dar sua alma ao jejum e à oração, e foi só quando ele bebeu do copo ao lado, que as escamas caíram de cima de seus olhos. Eu beberam dele, filhos de Deus, e eu pensei que Jesus era cruel - mas, em pouco tempo, me levou para fora um doce copo, o copo de seu amor que perdoa , preenchido com o carmesim rica do seu sangue precioso. Oh! o sabor do
vinho que está na minha boca esta mesma hora, para o gosto dele é como o vinho do Líbano, que permanece no barril para muitos um dia.

Você não se lembra, quando, depois de ter bebido a taça do sofrimento, Jesus veio e mostrou-lhe as mãos e o lado e disse: "Pecador, eu morri por você, e me entreguei para você, acredite em mim!" Você não se lembra como você acredita, e bebeu o cálice, e você acreditava novamente e teve um profundo projecto, e disse: "Bendito seja o nome de Deus, desde agora e para sempre, e deixa toda a terra dizer: 'Amém , 'para que ele quebrou as portas de bronze, e despedaçou os ferrolhos de ferro em Sunder, e deixe que os
cativos livre! " Desde então, o Mestre glorioso disse para você: "Amigo, sobe mais para cima!" e ele tomou-lhe assentos superiores nas melhores salas, e ele deu-lhe as coisas mais doces.

Eu não vou te dizer, hoje, dos vinhos de escolha que você bebeu. O cônjuge em Cânticos de Salomão pode suprir a deficiência do meu sermão desta manhã. Bebeu do vinho aromático de sua romã, e assim ter você, nesses momentos de alta e feliz quando você tinha comunhão com o Pai e com seu Filho, Jesus Cristo. Mas demorar algum tempo, ele manteve o melhor vinho ainda. Você deve em breve chegar perto das margens do Jordão, e então você deve começar a beber o vinho velho do reino, que foi cano até desde a fundação do mundo. A safra de agonia do Salvador; a vindima de Getsêmani em breve será abordado para você - o
vinho velho do reino! Você está vindo para a terra "Beulah", e você começa a provar o sabor dos vinhos sobre as borras bem refinados. Você sabe como Bunyan descreve o estado que faz fronteira com o vale da morte. Era uma terra que mana leite e mel, uma terra onde os anjos muitas vezes chegou a visitar os santos, e para trazer feixes de mirra da terra de especiarias. E agora o alto escalão é tomada, o Senhor põe o dedo em cima de suas pálpebras e beijos sua alma em seus lábios. Onde está você agora? Em um mar de amor e vida e bem-aventurança e imortalidade. Ó Jesus, Jesus, Jesus, você realmente manteve o melhor vinho até que enfim! Meu Mestre! Eu vi você no sábado, mas este é um sábado eterno.

Eu conheci você na congregação , mas esta é uma congregação que nunca deve acabar. Ó meu Mestre! Eu vi as promessas - mas este é o cumprimento . Eu vos bendizemos por graciosas providências - mas isso é algo mais do que tudo isso: que você me deu a graça - mas agora você me deu glória ; você era uma vez o meu escudo - mas você é agora o meu dom . Estou à sua mão direita, onde há plenitude de alegria para sempre. Você tem mantido seu melhor vinho para o final. Tudo o que eu tinha antes não era nada comparado com isso! " E, por último, pois o tempo só me falta, eu poderia pregar uma semana sobre o assunto. A mesa de comunhão é um em que as crianças devem sentar-se divinos. E a primeira coisa que deve beber de lá, é o cálice da comunhão com Cristo em seus sofrimentos . Se você vir para a mesa da comunhão com Cristo - você deve antes de tudo beber do vinho da Calvário . Christian, sua
cabeça deve ser coroado com espinhos - as mãos devem ser perfurado, não me refiro com pregos, mas, espiritualmente você deve ser crucificado com Cristo. Devemos sofrer com ele - ou então não podemos reinar com ele, temos de trabalhar com ele em primeiro lugar, devemos sup do vinho que o Pai lhe deu para beber, ou então não podemos esperar para chegar à melhor parte da festa.

Depois de beber do vinho dos seus sofrimentos, e continuar a beber, é preciso beber o cálice de seus trabalhos , devemos ser batizados com o batismo, devemos trabalho após as almas, e simpatizar com ele em que a ambição do seu coração - a salvação dos pecadores, e depois que ele nos dará de beber do cálice da sua antecipados honras . Aqui na terra, teremos um bom vinho em comunhão com Cristo na sua ressurreição, em seus triunfos e suas vitórias, mas o melhor vinho está para vir no passado. O câmaras de
comunhão, os portões foram abertos para mim, mas eu só tenho sido capaz de olhar dentro de si, mas o dia está chegando quando em dobradiças seus diamantes que você deve virar, e ficar bem abertos para todo o sempre, e eu entra no palácio do rei e não mais saírem. O cristão! você deve ver em breve o Rei na sua formosura, sentar-se a seus pés com Maria! Você deve fazer logo como o cônjuge fez - você deve beijá-lo com os beijos da sua boca, e sentir que seu amor é melhor do que vinho. Não posso conceber-vos, irmãos, no muito último momento de sua vida, ou melhor, no primeiro momento de sua vida, dizendo: "Ele manteve o melhor vinho até que enfim!" Quando você começa a vê-lo cara a cara, quando você entra em comunhão mais próxima, sem nada para perturbar ou para distraí-lo, então você deve dizer "Ele manteve o melhor
vinho até que enfim!"

Um santo já foi morrendo, e outro que se sentou por ele disse: "Adeus, irmão, eu nunca vou te ver de novo na terra dos vivos." "Oh", disse o moribundo, "Eu vou te ver de novo na terra dos vivos que é ali em cima, onde eu vou, esta é a terra dos moribundos." Oh irmãos e irmãs, se nunca deve reunir-se novamente na terra dos moribundos, temos uma esperança que nos encontremos na terra dos vivos, e beber o melhor vinho, finalmente!  "Todo mundo traz o vinho primeira escolha - e então o pior vinho após os convidados tiveram a beber demais, mas você salvou o melhor até o último! " João 2:10
Ame o Senhor Jesus Cristo! – por Thomas Brooks
Fonte: Puritansermons.com
Tradução: OEstandarteDeCristo.com

segunda-feira, 28 de abril de 2014

Aquietai-vos E Sabei Que Eu Sou Deus – Jonathan Edwards


 “Aquietai-vos e sabei que eu sou Deus” (Salmo 46:10)

Este Salmo soa como um hino da igreja em tempos de grande turbulência e desolações no mundo. É por isso que a Igreja se gloria em Deus como seu amparo, sua força e socorro bem presente, mesmo em tempos de grandes tribulações e dificuldades. “Deus é o nosso refúgio e fortaleza, socorro bem presente na angústia. Portanto não temeremos, ainda que a terra se mude, e ainda que os montes se transportem para o meio dos mares. Ainda que as águas rujam e se perturbem, ainda que os montes se abalem pela sua braveza.” (versículos 1, 2, 3).

A igreja se gloria em Deus, não apenas por Ele ser o seu ajudador, que a defende quando o resto do mundo se vê envolto em desgraças e calamidades, mas porque, como rio refrescante, lhe dá ânimo e alegria, mesmo em meio da calamidade pública. “Há um rio cujas correntes alegram a cidade de Deus, o santuário das moradas do Altíssimo. Deus está no meio dela; não se abalará. Deus a ajudará, já ao romper da manhã.” (vv. 4, 5). Nos versículos 6 e 8 se declara as profundas mudanças e calamidades que agitavam o mundo: “As nações estão em tumulto, os reinos caem, lança -lhe a sua voz, e a terra se derrete. Vinde, contemplai as obras do SENHOR, que trouxe desolação na terra.” No texto que se segue se expressa admiravelmente a maneira como Deus livra a igreja destas desgraças, especialmente dos desastres da guerra e da fúria de seus inimigos: “Ele faz cessar as guerras até ao fim da terra; quebra o arco e corta a lança; queima os carros no fogo”. Ou seja, Ele faz cessar as guerras quando são contra o Seu povo, Ele quebra o arco quando se verga contra Seus santos.

Segue então estas palavras: “Aquietai-vos, e sabei que eu sou Deus”. A soberania de Deus se manifesta em suas grandes obras, as quais aparecem descritas nos versos anteriores. Aqueles mesmas terríveis desolações que Ele desencadeou em Seu desígnio de livrar Seu povo utilizando meios terríveis, mostram também a Sua grandeza e Seu Senhorio. Através de tudo isto, demonstração de poder e soberania, e assim ordena a todos estar quietos, e reconhecer que Ele é Deus. Porque disse: “sou exaltado entre as nações, sou exaltado na terra.”

Disto se pode derivar observações interessantes
1. O dever de ficar quieto diante de Deus, debaixo das mercês de Sua providência. Isto implica que devemos manter quietude de palavras, nos resignando de falar ou reclamar contra os desígnios da Providência, não obscurecendo a razão com palavras de ignorância, nem usando a linguagem pomposa da vaidade. Temos de manter a calma em nossas ações e em nossa conduta, de modo que não contrariemos a Deus em seus desígnios. E em relação à disposição interior de nossos corações, devemos cultivar a calma e uma serena submissão de espírito à vontade soberana de Deus, seja ela qual for.

2. Podemos considerar fundamentos deste dever, isto é, a Divindade de Deus. O fato dEle ser Deus é razão mais do que suficiente para que devamos estar quietos diante dEle, sem o menor murmúrio, sem objeção, sem oposição, mas tranquilamente e com humildade submeter-nos a Ele. Como devemos cumprir este dever de estar quietos diante de Deus? Simplesmente com um sentido de Sua Divindade, compreendendo que o fundamento é o conhecimento de que Ele é Deus. Nossa submissão é o que corresponde aos seres racionais. Deus não requer que nos submetamos a Ele contra a razão, senão como vendo a razão e o fundamento de fazer assim. Daí que, a mera constatação de que Deus é Deus pode ser o suficiente para calar todas as objeções e oposição aos Seus Divinos e Soberanos desígnios.

Tudo isto pode ser visto considerando o seguinte:

1. Porquanto Ele é Deus, é um Ser absoluta e infinitamente perfeito, sendo impossível que pudesse incorrer em erro ou maldade. E, como é Eterno e não deve sua existência a nenhum outro, não pode em medida alguma ter limitações no seu ser nem em nenhum de Seus atributos. Se algo tem limites em sua natureza, deve haver alguma causa ou razão pelas quais estes limites estão ali. Assim se deduz que toda coisa limitada deve ter uma causa. Portanto, Aquele que não tem causa deve ser ilimitado. As obras de Deus mostram com toda evidência que Sua sabedoria e Seu poder São infinitos, pois quem fez todas as coisas do nada, que as sustenta, governa e as dirige a todo momento e em todas as eras, sem se cansar, tem que possuir um poder infinito. Igualmente tem que ser infinito em conhecimento, pois se Ele fez todas as coisas, e sem cessar sustenta e governa a todas, segue-se que Ele continuamente e num único olhar, vê e conhece perfeitamente todas as coisas, tanto as grandes como as pequenas.

O qual não é possível sem um conhecimento infinito. Sendo, pois, infinito em conhecimento e poder, Deus tem que ser perfeitamente santo. A falta de santidade supõe sempre defeito e pobreza de visão. Onde não há trevas nem engano, não pode faltar a santidade. É impossível que a maldade possa coexistir com a luz infinita. Deus, sendo infinito em poder e conhecimento, precisa ser totalmente autossuficiente. Portanto, é impossível que Ele possa cair em qualquer tentação ou cometer alguma falta. Não há nenhum motivo para que ele incorra em nada semelhante. Sempre que alguém é tentado a ceder ao incorreto, é para fins egoístas. Então, como poderia um ser Todo-poderoso — que não precisa de nada — ser tentado a fazer algo errado por fins egoístas? Portanto, é impossível a Deus, que é essencialmente santo, possa em sentido algum incorrer no mal.

2. Pelo fato de ser Deus, Ele é tão grande que está infinitamente além de toda compreensão. Portanto, é irracional de nossa parte pretender julgar Suas decisões, uma vez que estas são misteriosas. Se fosse um ser ao qual nós pudéssemos compreender, não seria Deus. Seria irracional não supor nada além do fato de que há muitas coisas na natureza de Deus, e em Suas obras e governo, que são para nós um mistério que jamais poderemos descobrir.

O que somos e que ideia temos de nós mesmos se esperamos que Deus e Seus desígnios possam estar ao nível de nosso entendimento? Somos infinitamente incapazes de tal coisa como compreender a Deus. Para nós seria menos irracional conceber que uma casca de noz pudesse conter um oceano. Jó 11 versículo 7 em diante diz: “Porventura alcançarás os caminhos de Deus, ou chegarás à perfeição do Todo-Poderoso? Como as alturas dos céus é a sua sabedoria; que poderás tu fazer? É mais profunda do que o inferno, que poderás tu saber? Mais comprida é a sua medida do que a terra, e mais larga do que o mar”. Se pudéssemos perceber a distância entre Deus e nós, entenderíamos a razoabilidade da interrogação do apóstolo Paulo em Romanos 9.20: “… ó homem, quem és tu, que a Deus replicas?”.

Se cremos encontrar faltas no governo de Deus, estamos virtualmente supondo que somos capazes de ser seus conselheiros; quando na realidade seria mais conveniente, com grande humildade e adoração, clamar com o apóstolo (Romanos 11.33-36): Ó profundidade das riquezas, tanto da sabedoria, como da ciência de Deus! Quão insondáveis são os seus juízos, e quão inescrutáveis os seus caminhos! Por que quem compreendeu a mente do Senhor? ou quem foi seu conselheiro? Ou quem lhe deu primeiro a ele, para que lhe seja recompensado? Porque dele e por ele, e para ele, são todas as coisas; glória, pois, a ele eternamente. Amém”.

Se houvesse meninos que levantassem a voz para criticar os órgãos legislativos de seu país ou para colocar em causa de juízo as decisões do poder executivo, não se estimaria que eles estavam se intrometendo em coisas demasiado elevadas para eles? E quem somos nós senão bebês? Pois nossas inteligências são infinitamente menores do que as dos bebês, em comparação com a sabedoria de Deus. O [mais] sensato para nós é levar isto em conta e ajustar nosso comportamento a isso. Diz o Salmo 131:1,2: “SENHOR, o meu coração não se elevou nem os meus olhos se levantaram; não me exercito em grandes matérias, nem em coisas muito elevadas para mim. Certamente que me tenho portado e sossegado como uma criança desmamada de sua mãe”.

Esta única compreensão da distância infinita entre Deus e nós, e entre o entendimento de Deus e do nosso, deveria ser suficiente para nos silenciar e para acatarmos com serenidade tudo o que Deus faz, não importa o quanto possa parecer misterioso ou ininteligível. Também não temos direito algum de esperar que Deus nos explique em particular a razão de Seus atos ou desígnios. Está mais do que justificado que Deus não nos dê, vermes do pó que somos, razão se seus assuntos, que assim possamos captar a distância que nos separa dEle, e Lhe adoremos e nos submetamos a Ele em humildade e reverência.

Podemos ver a este respeito por que, quando Jó padecia sofrendo, por desígnio divino, cruéis penas, Deus lhe respondeu não explicando as razões da sua misteriosa providência, mas fazendo-lhe ver sua condição de miserável verme, de nada; e quão distante ele estava da altura Deus. Essa atitude Divina estava em maior consonância com Deus do que haver entrado em algum debate com Jó, ou haver-lhe revelado o mistério de suas dificuldades.
E para Jó foi bom se submeter a Deus naquelas coisas que não conseguia entender, as quais quis trazer-lhe a resposta Divina. Convém que Deus habite na escuridão profunda, ou em luz que nenhum ser humano pode resistir, a qual ninguém viu nem pode ver. Nada há de estranho em que um Deus de infinita glória resplandeça com um brilho demasiado rutilante e poderoso para o olho humano. Porque mesmo os anjos, esses espíritos poderosos, aparecem cobrindo seus rostos perante esta luz (Isaías 6).

3. Sendo que Ele é Deus, todas as coisas são suas, portanto tem direito de dispor delas de acordo com Sua vontade e prazer. Todas as coisas deste mundo inferior são suas. “Pois o que está debaixo de todos os céus é meu” (Jó 41.11). “Eis que os céus e os céus dos céus são do Senhor teu Deus, a terra e tudo o que nela há” (Deuteronômio 10: 14). Todas as coisas são suas porque todas procedem dEle; são totalmente dEle e somente dEle.
Aquelas coisas feitas por homens não são inteiramente deles. Quando um homem edifica uma casa, não é completamente sua, nenhum dos materiais com que foi feita lhe deve a sua origem. Todas as criaturas são total e completamente fruto do poder de Deus.

É lógico, portanto, que todas sejam para ele e sujeitas à Sua vontade (Provérbios 16:4). Assim, como todas as coisas são de Deus, e todos são sustentadas por Ele, e se afundariam em ruína em um instante se Ele não as mantivesse. E todas são para Ele: “Porque dele e por ele, e para ele, são todas as coisas” (Romanos 11:36). “Porque nele foram criadas todas as coisas que há nos céus e na terra, visíveis e invisíveis, sejam tronos, sejam dominações, sejam principados, sejam potestades. Tudo foi criado por ele e para ele. E ele é antes de todas as coisas, e todas as coisas subsistem por ele” (Colossenses 1:16,17). Toda a humanidade é sua: suas vidas, seu alento, seu ser, “pois nele vivemos, nos movemos e somos.” Nossas almas e as nossas capacidades Lhe pertencem. “Eis que todas as almas são minhas; como o é a alma do pai, assim também a alma do filho é minha: a alma que pecar, essa morrerá.” (Ezequiel 18.4).

4. Posto que Ele é Deus, é digno de ser soberano sobre todas as coisas. Amiúde os homens possuem mais do que são dignos de possuir. Porém Deus não é somente dono de todo o universo, sendo que todo este procede e depende dEle, senão que tal é Sua perfeição, a excelência e dignidade de Sua natureza, que é digno de ser soberano sobre tudo. Ninguém deveria ousar a opor-se a que Deus exerça a soberania do universo como se não fosse digno disto, pois o ser soberano absoluto do universo não é glória ou honra demasiado grandes para Ele.

Todas as coisas no céu e terra, anjos e homens, não são nada comparados a Ele; Todos são como uma gota de água em um balde ou como um grão de areia na praia. É tão apropriado que cada coisa esteja em suas mãos, para que Ele delas disponha segundo lhe aprouver. Sua vontade e desejo são de importância infinitamente maior do que de todas as criaturas. É correto que Sua vontade seja feita, ainda que seja contrária a todos os demais seres, que Ele faça de si mesmo Seu próprio fim, e que disponha de todas as coisas para si. Deus é dotado de tais perfeições e excelências que possui o título de ser o soberano absoluto do mundo.
Certamente, é muito mais apropriado que todas as coisas estejam debaixo da direção de uma sabedoria irrepreensível e perfeita do que expostas a cair em confusão ou sujeitas a causas incontroláveis. Além disso, não é bom que nenhum negócio do governo de Deus possa permanecer sem a direção de Sua sábia providência, especialmente aquelas coisas de maior importância.

É absurdo supor que Deus pudesse estar obrigado a prevenir qualquer criatura de pecar e de expor-se a um castigo adequado. Se assim fosse, resultaria que não pode haver tal coisa como um governo moral de Deus sobre as indivíduos racionais​​, e seria arbitrário para Deus dar mandamentos já que Ele mesmo seria a parte comprometida a observar a conduta e estaria fora do lugar das promessas e das ameaças. Mas se Deus pode deixar que alguém peque e se exponha à punição, então resulta ser muito mais apropriado que o assunto seja tratado com sabedoria — quem em justiça deve a causa do pecado permanecer exposta a castigo e quem não — que permitir que venha pela confusão ou acaso.

Não é digno do Governador do universo deixar as coisas ao acaso, é natural para Ele governar todas as coisas por meio de sabedoria. E como Deus possui sabedoria que O autoriza a ser soberano, assim também tem o poder que lhe permite executar o que Sua sabedoria aconselha. Mais ainda, Ele é essencial e invariavelmente santo e justo, e infinitamente bom, por isso está perfeitamente qualificado para governar o mundo da melhor maneira possível.

Portanto, quando ele age como soberano do mundo, o indicado para nós é estarmos quietos e submeter-nos de boa vontade, sem objetar de forma alguma que Ele tenha a glória de Sua soberania, pelo contrário, consciente de Sua dignidade, reconhecê-la com gozo, dizendo: “Teu é o reino, o poder e a glória, para sempre”, e repetir com aqueles em Apocalipse 5:13: “Ao que está assentado sobre o trono… sejam dadas ações de graças, e honra, e glória, e poder…”

5. Porquanto Ele é Deus, será soberano e agirá como tal. Ele se assenta no trono de Sua soberania e o Seu reino é exercido sobre tudo. Em seu soberano poder e domínio será exaltado, como Ele mesmo declara: “Serei exaltado entre os gentios; serei exaltado sobre a terra”. Ele fará saber a todos que é o Supremo Senhor de toda a terra. Ele executa sua vontade com o exército do céu e os moradores da terra, e ninguém pode estorvar Sua mão. Não pode haver tal coisa como frustrar, prejudicar ou invalidar Seus desígnios, pois Ele é grande em pensamento e maravilhoso em ação. Seu conselho prevalecerá, e fará tudo o que lhe apraz.

Não há sabedoria, nem inteligência, nem talento em oposição ao Senhor. Qualquer coisa que Ele quer fazer durará para sempre; nada lhe será adicionado ou removido. Quando ele age, quem lhe fará reparos? Ele pode, se quiser, esmiuçar Seus inimigos. Se os homens se unem contra Ele para estorvar ou opor-se a Seus desígnios, Ele: “quebra o arco e corta a lança; queima os carros no fogo”.  Ele mata e faz viver, derruba e edifica, segundo o conselho de Sua vontade. Ele diz em Isaías 45.6,7: “Para que se saiba desde o nascente do sol, e desde o poente, que fora de mim não há outro; eu sou o Senhor, e não há outro. Eu formo a luz, e crio as trevas; eu faço a paz, e crio o mal; eu, o Senhor, faço todas estas coisas.”

Nem os eminentes, nem ricos, nem sábios podem impedir ou torcer a vontade de Deus. Ele despede decepcionados os doutos e não presta homenagem aos aristocratas, nem concede privilégio aos ricos sobre os pobres. Existem muitos subterfúgios no coração humano; porém o conselho do Senhor e os pensamentos de Seu coração permanecem através de todas as gerações. Quando concede paz, quem pode causar problemas? E se Ele esconde o rosto, quem pode contemplá-lO? O que Ele derruba não pode ser reconstruído e ao que silencia assim permanece. Quando Ele Se propõe a algo, quem O impedirá? E quando estende Sua mão, que o fará recolhê-la? Não há, portanto, uma maneira de impedir que Deus seja soberano nem que aja como tal. “Logo, pois, compadece-se de quem quer, e endurece a quem quer”. (Romanos 9.18). Ele tem as chaves da morte e do inferno, e abre e não há quem feche; fecha e não há quem abra. Isso pode nos fazer ver a loucura de nos opormos aos soberanos desígnios de Deus, e quão sábios são aqueles que quietamente e de bom ânimo se submetem à Sua soberana vontade.

6. Como Ele é Deus, está em posição de se vingar daqueles que se opõem à Sua soberania. Ele é sábio de coração e forte em poder, quem poderá endurecer-se contra Deus e sair em paz? A isso deve responder todo o que intente contender com Ele. E ai do miserável que quiser pelejar contra Deus; poderá defender sua posição diante dEle? A qualquer de seus inimigos movidos de orgulho, o Senhor lhes mostrará que está acima deles. Virão a ser como palha ao vento, ou como gordura de carneiros; o fogo os consumirá e desaparecerão. “Não há indignação em mim. Quem me poria sarças e espinheiros diante de mim na guerra? Eu iria contra eles e juntamente os queimaria.” (Isaías 27:4)

Ame o Senhor Jesus Cristo! – por Thomas Brooks
Fonte: Puritansermons.com
Tradução: OEstandarteDeCristo.com

sexta-feira, 25 de abril de 2014

Crentes Incrédulos


Qualquer dia desses uma pessoa bem simples vai pegar a Palavra de Deus, lê-la e crer nela, e aí nós todos vamos ficar muito envergonhados. É que nós adotamos a cômoda postura de que nossa tarefa para com a Palavra é explicá-la. Na verdade, nossa primeira atitude deve ser de crer nela (e depois obedecer).
Um pensamento que me tem ocorrido com freqüência ultimamente é que existe uma grande diferença entre conhecer a Palavra de Deus e o Deus da Palavra. Não é verdade que toda vez que assistimos a
um seminário de estudos bíblicos ouvimos uma repetição das mesmas velhas lições, e saímos dali sem ter aumentado nem um pouco nossa fé? É possível que Deus nunca tenha visto um grupo de crentes tão incrédulos como os desta geração. Como isso é humilhante!

Será que estamos como que deslumbrados com a riqueza espiritual? Talvez sejamos como um marinheiro pobretão que cruza o Atlântico e fica alucinado, magnetizado ao pensar que ali embaixo está o navio Lusitânia com muita riqueza em seu bojo, que ele poderia pegar para si. O único problema são os metros e metros cúbicos de água que o separam dele. Do mesmo modo, a Bíblia, que é o talonário de cheques do crente, que lhe é dado pelo Senhor da glória, garante: “Tudo é vosso, e vós de Cristo, e Cristo de Deus”.

Estou-me sentindo fortemente insatisfeito com a pobreza espiritual que nós, os crentes, estamos vivendo na atualidade. Quantas vezes vamos a uma reunião de oração e ouvimos uma frase tão comum: “Senhor, tu podes fazer isso” (referindo-se a um determinado pedido). Mas tal afirmação é fé? Não; é apenas o reconhecimento da onipotência de Deus. Eu creio que o Deus vivo, o Senhor da glória pode transformar essa escrivaninha onde estou escrevendo em ouro maciço. Transformar água em vinho ou madeira em ouro é coisa que está dentro da capacidade dele. Mas ele transformou água em vinho quando houve necessidade disso. Neste momento, por exemplo, um milhão de dólares me seria muito útil (e não gastaria nem um centavo para mim mesmo), nem teria do que me envergonhar “naquele dia”. Na verdade temos muita necessidade desse dinheiro. Mas afirmar que ele pode fazer a madeira se transformar em ouro não opera a transformação. E assim eu fico sem
o dinheiro. Mas se, pela fé, eu disser: “Ele irá transformar essa mesa em ouro”, aí o problema estará resolvido.

Todos nós sabemos que “o maior destes” (fé, esperança e amor) não é a fé. Mas por que ignorar o que é menor? Onde é que se vê a fé genuína hoje em dia? O que se vê é um mascaramento da fé. Um apelo que se ouve com freqüência é: “Cremos que Deus deseja que estendamos a transmissão de nosso programa a mais dez estações de rádio. Estamos esperando dele os fundos necessários para isso.

Então, irmãos, escrevam-nos o mais breve possível”. Isso pode até ser uma afirmação de fé, só que com “indiretas”, e não é dirigida apenas para Deus. Nós, os crentes, gostamos muito de citar superficialmente aquele versículo: “E o meu Deus, segundo a sua riqueza em glória, há de suprir cada uma (que palavras
extraordinárias!) de vossas necessidades” (Fp 4.19). Mas será que realmente acreditamos nele?
Acredito que poderíamos acrescentar um adendo ao capítulo 11 de Hebreus (sem querer com isso diminuir o valor dele) incluindo nomes como o de Hudson Taylor (fundador da Missão do Interior da China),
Jorge Müller, Rees Howells, e outros que pela fé realizaram grandes feitos. Nessa hora difícil que vivemos, estou ficando cansado de nossas conversas sobre nosso maravilhoso e poderoso Senhor, quando nós continuamos ainda terrivelmente pobres. Deus abençoa é a nossa fé, não a sabedoria, nem a personalidade. E a honra a Deus; e Deus honra a fé. Ele vai onde a nossa fé o coloca. Num certo sentido, que creio todos podem entender, a situa Deus aqui ou ali. Ela faz a junção da nossa impotência com a onipotência dele.

A ciência já rompeu a barreira do som. E a sociedade que nos cerca, uma sociedade permissiva, sequiosa de prazer, clama para nós que também já rompeu a barreira do pecado. Agora, vamos nós também, com a ajuda de Deus, com fé simples, firme, vamos romper a barreira da incredulidade. A dúvida retarda a ação da fé, e até a destrói. Mas a fé também destrói a dúvida. A verdade que a Palavra de Deus ensina não é “Tudo é possível ao que sabe expor bem as Escrituras”. Nesta vida terrena, será inútil tentar definir a pessoa de
Deus, e, possivelmente, nem na eternidade conseguiremos entendêlo, nem tampouco seus atos. Mas o que diz a Bíblia, esse Livro que é tão imutável quanto seu Autor, é: “Tudo é possível ao que crê”.

Muitas vezes ouvimos pessoas (que se candidataram a um emprego para o qual se julgavam altamente capacitadas, e foram rejeitadas) dizerem, não sem certa amargura: “Hoje em dia o que conta não é o que a gente sabe, mas quem se conhece”. Não pretendo entrar no mérito da questão, com relação ao mundo dos
negócios; mas tenho certeza de que no plano espiritual é a mais pura verdade. Os fatos que sabemos sobre Deus nestes dias dão para encher uma biblioteca. (Não queremos com isso depreciar o verdadeiro conhecimento, e menos ainda a sabedoria que vem lá do alto). Mas conhecer fatos sobre Deus é uma coisa; conhecer a Pessoa dele é outra muito diferente. Paulo não tinha nada, e, no entanto possuía tudo. Que sublime paradoxo! Que abençoada pobreza! Esse grande homem era espiritualmente riquíssimo. O fato de estar edificando o reino de Cristo e de estar escrevendo os oráculos de Deus nunca lhe subiu à cabeça. E a despeito de tudo que fez, já quase ao fim de sua carreira, ele diz: “Para conhecê-lo e o poder da sua ressurreição e a comunhão dos seus sofrimentos, conformando-me com ele na sua morte” (Fp 3.10). O maior empecilho que existe para que os crentes transformem em realidade diante dos olhos do mundo as promessas de Deus é esse
nosso desprezível ego. Mas Paulo declara que seu antigo senhor, o ego, foi destronado e — o que é melhor — foi anulado na cruz (Gl 2.20). Então Cristo pôde ser entronizado em sua vida. E para que nos
purifiquemos e estejamos preparados para que ele assuma o controle é preciso que o egoísmo, a autocompaixão, a justiça própria, a autosatisfação, a importância própria e tudo que tenha a ver com o ego
sejam entregues à morte. Não importa quem nós somos, nem o que nós sabemos. O que realmente importa é o que somos diante do inescrutável Deus. Se desagradarmos a Deus, não importa a quem vamos agradar. E se agradarmos a ele, não importa a quem vamos desagradar. Aquilo que podemos chegar a ser pela nossa união com Cristo é uma coisa; mas aquilo que somos é outra muito diferente.

Encontro-me profundamente insatisfeito com o que sou. Se você está satisfeito, então tenha compaixão deste seu irmão mais fraco, e ore por mim. Existe um tipo de fé que é natural, intelectual e lógica; e existe também a fé que é espiritual. De que adianta pregarmos a Palavra, se no momento em que a anunciamos não temos uma fé viva para comunicar-lhe vida? “A letra mata”. Iremos nós adicionar mais morte à morte? O maior benfeitor do homem hoje será aquele que puder trazer o inestimável poder de Deus para esse cristianismo orgulhoso
e sem poder que vivenciamos hoje. A promessa de Deus ainda está de pé: “O povo que conhece ao seu Deus se tornará forte e ativo” (Dn 11.32). E se algum de nós conhecer a Deus, então “coitado de você, Lúcifer!”

Leonard Ravenhill

terça-feira, 22 de abril de 2014

A Pregação Fervorosa: Uma Arte Esquecida


Já se passaram alguns séculos desde que o reformador suíço Oecolampad disse: “Uns poucos pregadores bons e fervorosos produziriam maior impacto no ministério cristão do que uma multidão de homens mornos!” E a passagem do tempo não anulou a verdade
contida nessa afirmação. Precisamos de mais “pregadores bons e fervorosos”. Um deles foi Isaías, com sua confissão: “Ai de mim! Estou perdido! Porque sou homem de lábios impuros, habito no meio dum povo de impuros lábios”. E Paulo foi outro: “Ai de mim, se não pregar o evangelho”. Mas nenhum dos dois tinha um conceito mais amplo da magnitude de sua tarefa do que Richard Baxter, que era ministro da Igreja Kidderminster, na Inglaterra. Quando alguém o criticou, tachando-o de ocioso, ele respondeu o seguinte: “A pior coisa que eu poderia desejar-lhe era que tivesse minha folga em vez do seu trabalho. Tenho razões para me considerar o menor de todos os salvos, e no entanto não teria receio de dizer ao acusador que considero o serviço da maioria dos trabalhadores desta cidade um prazer para eles, em comparação com o meu, embora não trocasse minha tarefa com a do mais importante príncipe”.

“O serviço deles ajuda a conservá-los com saúde; o meu consomea. Eles trabalham tranqüilamente; eu, em dores constantes. Eles têm horas e dias para seu lazer; eu mal tenho tempo para me alimentar. Ninguém os incomoda por causa de seu ofício; quanto a mim, quanto mais trabalho, mais ódio e perturbações atraio sobre minha pessoa”.

Sente-se um pouco da mentalidade neotestamentária nessa sua maneira de encarar a pregação do evangelho. Este é o mesmo Baxter que queria ser como “um moribundo pregando a moribundos”. Se nossos pregadores fossem todos desse calibre espiritual, arrancariam toda esta geração de pecadores da boca do inferno.

É possível que hoje tenhamos o maior índice de pessoas freqüentando a igreja, com o mais baixo índice de espiritualidade de todos os tempos. Talvez estivessem certos aqueles que no passado acusaram o liberalismo de ser o grande culpado da frieza dos crentes. Hoje, esse bode expiatório é a televisão, que está sendo execrada pelos pregadores. Entretanto, apesar disso, e sabendo que as duas acusações não deixam de ser verdadeiras, gostaria de dirigir
a nós, pregadores, uma pergunta. Será que não deveríamos confessar como aquele escritor do passado: “O erro, caro Brutus, está em nós mesmos?” Mas eu gostaria de afiar bem o meu bisturi e aprofundá-lo um pouco mais nos pregadores: passou a época dos grandes sermões tipo “lanche rápido”, temperados com tiradas humorísticas para tentar estimular o fraco apetite espiritual do homem de nossos dias? Ou estamos nos esforçando para comunicar os  “poderes do mundo vindouro” em todos os cultos?

Pensemos um pouco em Paulo. Após receber uma poderosa unção do Espírito Santo, ele saiu pela Ásia menor para travar ali uma intensa batalha espiritual, causando agitação nos mercados, sinagogas e palácios. E ia a toda parte, tendo no coração e nos lábios o grito de guerra do evangelho. Diz-se que foi Lenine quem disse o seguinte: “Os fatos não podem ser contestados”. Analisando as realizações de Paulo e comparando-as às dos crentes de nossa
geração, que fazem tantas concessões ao mundo, temos que concordar com ele. Paulo não era um pregador que apenas falava a toda uma cidade; ele a abalava totalmente. Mas ainda assim tinha tempo para sair batendo às portas das casas, e para orar pelos perdidos que encontrava pelas ruas.

Estou cada vez mais convencido de que as lágrimas são um elemento indispensável a uma pregação avivalista. Irmãos pregadores, precisamos nos envergonhar de não sentir vergonha;
precisamos chorar por não termos lágrimas; precisamos nos humilhar por haver perdido a humildade de servo de Deus; gemer por não sentirmos peso pelos perdidos; irar-nos contra nós mesmos por não termos ódio do monopólio que o diabo exerce nestes dias do fim, e
nos punir pelo fato de o mundo estar-se dando tão bem conosco, que nem precisa perseguir-nos.

Pentecostes significa dor, mas o que mais experimentamos é prazer; significa peso; mas nós amamos a comodidade. Pentecostes significa prisão, e, no entanto, a maioria dos crentes faria qualquer coisa, menos ir para a prisão por amor a Cristo. Se revivêssemos a experiência do pentecostes, talvez muitos de nós fossem parar na cadeia. Eu disse “pentecostes”, não “pentecostalismo”. E não estou querendo atirar pedras em ninguém.

Imaginemos a experiência do pentecostes se repetindo em uma igreja no próximo domingo. O pastor, como Pedro, é revestido de poder. E, pela sua palavra, Ananias e sua esposa caem mortos ao chão. Será que o crente moderno toleraria isso? E não pára aí. Paulo
determina que Elimas fique cego. Em nossos dias, isso implicaria na abertura de processo contra o pregador. E se alguns caíssem ao chão, sob o poder do Espírito Santo — o que acontece em quase todos os avivamentos — sem dúvida iriam difamar-nos. Não seria
demais para a nossa sensibilidade?

E, como já disse no início deste capítulo, gostaria que houvesse grandes pregadores em nossos dias. O diabo quer que fiquemos a caçar ratos, enquanto há leões à solta, devastando a terra. Nunca consegui descobrir o que se passou com Paulo na Arábia. Ninguém sabe. Será que ele teve uma visão do novo céu e da nova terra, e do Senhor reinando soberano? Não sei. Mas uma coisa sei com certeza: ele modificou a Ásia, deixou os judeus profundamente irritados, encolerizou os romanos, ensinou para mestres e teve piedade de
carcereiros. Ele e outro pregador de nome Silas dinamitaram as paredes da prisão com suas orações, para realizar a obra do Senhor.

Paulo, o servo de Jesus Cristo, o escravo de Cristo pelo amor, depois de reconhecer que o coração mais duro que Deus conquistara era o seu, resolveu ir abalar o mundo para Deus. Em seus dias, ele trouxe à terra os “poderes do mundo vindouro”, restringiu a operação
de Satanás, e sofreu, amou e orou mais que todos nós. Irmãos, caiamos de joelhos outra vez, se quisermos recuperar a espiritualidade e o poder apostólicos. Chega dessa pregação fraca e ineficaz!

Leonard Ravenhill