domingo, 12 de julho de 2015

O Escândalo da Cruz

(Sermão Nº 2594) 
Pregado na tarde do Dia do Senhor do ano de 1856
por Charles Haddon Spurgeon, Em New Park Street Chapel, Southwark.


E também lido no Domingo, 30 de Outubro de 1898. “Eu, porém, irmãos, se prego ainda a circuncisão, por que sou, pois, perseguido? Logo o escândalo da cruz está aniquilado.” (Gálatas 5:11) A religião de Jesus é a mais pacífica, suave e benevolente que jamais foi promulgada. Quando se compara com qualquer conjunto de dogmas inventados por homens, nenhum deles pode resistir à menor comparação com ele por gentileza, suavidade e amor. Quanto à religião de Maomé, é a religião do abutre, mas a religião de Jesus é a da pomba – tudo é misericórdia, tudo é suave. Ela é, como Seu Fundador, uma personificação da pura benevolência, Graça e verdade.
E, no entanto, por estranho que pareça, suave como o Evangelho é, e inofensivo como os seus professantes sempre provaram ser, quando eles agiram corretamente, – não resistindo ao mal, mas submetendo-se a ele, qualquer que seja – contudo nunca houve qualquer coisa que tem causado mais perturbação no mundo do que a religião Cristã! Não é uma espada e ainda assim trouxe a guerra para o mundo.
Não é um incêndio e ainda que tenha consumido muitas antigas instituições antigas – E tenha consumido muito do que os homens pensaram que iria durar para sempre. É o Evangelho de paz e ainda tem separado os amigos mais queridos e causado contendas terríveis e confusões em todos os lugares! Embora, por si só, ele seja todo gentileza, ainda assim parece que o estandarte da pomba foi o estandarte da batalha e como se o levantar da pacífica Cruz houvesse sido o sinal para a guerra, como a Cruz ardente vermelho-sangue que antigamente passava pela Escócia para convocar os clãs para a batalha! Estranho, mas estranhamente verdadeiro é, que a cruz de Cristo tem sido sempre uma ofensa e que tem provocado as mais ferozes batalhas e as lutas mais severas que os homens já travaram com seus semelhantes.
Ao considerar o nosso texto eu, em primeiro lugar falarei a vocês um pouco concernente ao que é “o escândalo da cruz”. Em segundo lugar, a forma como os homens mostram sua ofensa contra a Cruz. Em terceiro lugar, terei um pouco a dizer para aqueles que estão ofendidos com a cruz, para mostrar-lhes a sua loucura.
E, por último, vou concluir com uma inferência ou duas para o benefício especial de ministros cristãos e da Igreja em geral. 

I. Vamos perguntar, em primeiro lugar, EM QUE CONSISTE “O ESCÂNDALO DA CRUZ”? Nossas limitações proíbem qualquer tentativa de ser elaborado e nós começamos por dizer que “o escândalo da cruz” está, em primeiro lugar, na maneira em que ele lida com toda a sabedoria humana. O filósofo coloca seus óculos nos olhos, olha para a Cruz e, em seguida, diz: “Eu não posso ver nada tão maravilhoso nela – mesmo com essas minhas esplêndidas lentes, que podem ver mais do que o pobre, humilde camponês! Eu não me importo com um tal sistema de religião como este – qualquer simplório pode entender a Cruz”.
Então ele passa e apenas zomba dela. O homem que ama a controvérsia vem para o Evangelho e descobre que há nele puro dogmatismo.
Tais coisas são ditas ser verdadeiras e pecadores devem acreditar nelas - ou então serão condenados. “Não vou fazer isso”, diz ele, “Eu não renderei fé implícita ao Evangelho. Eu gosto de disputar sobre pontos de doutrina. Eu gosto de argumentar contra eles.
Não vou ouvir o seu pregador que diz: “Essa é a Verdade de Deus, toda a verdade de Deus e nada mais que a verdade”.
Não vou ouvir o homem que fala assim com autoridade! Eu gosto de homens que me dão margem suficiente para duvidar, que me fazem acreditar no que eu gosto e nada mais. Eu prefiro usar minha razão e bom senso”.
Quando você vem para falar com ele sobre a religião que diz: “Acredite nisto ou então estás perdido. Creia ou então será claramente excluído da salvação”, ele gira em seus calcanhares e diz: “Eu não vou acreditar em qualquer coisa!” E quando ele pergunta o que é para acreditar, ele professa ser mais sábio do que a Palavra de Deus! “O quê?”, Diz ele, “acreditar na Expiação? Eu não posso - é contrária ao meu bom senso. Crer na doutrina da eleição? Como, choca a minha humanidade! Crer na depravação total da natureza humana e na impossibilidade de ser salvo sem nascer de novo? Por que, eu não posso receber esse ensinamento por um único momento!
É contrário a tudo o que os estudiosos já ensinaram e difere do que qualquer filósofo jamais teria inventado! Portanto, não a receberei”.
E ele se afasta com um anátema contra Cruz. Ele não pode suportá-la por causa de sua grande simplicidade! Se ele pudesse descrevê-la como sendo tão maravilhosa que ele não seria capaz de fazer as pessoas comuns compreendê-la – E que era só por causa de seu intelecto gigantesco que ele foi capaz de compreendê-la, por si mesmo – ele não se importaria de aceitá-la!
Mas como é tão clara e simples, ele se afasta dela em desgosto. Ele não pode suportar o Evangelho da Cruz – ele não possui sabedoria mundana suficiente para ele, e ele ou não sabe ou se esquece de que o conhecimento de Cristo Crucificado é a mais excelente de todas as ciências, e que nunca a razão é mais glorificada do que quando humildemente se senta sob a sombra da Cruz!
Mas há algo na Cruz de Cristo, que fere o orgulho dos homens ainda mais do que isso! E isso é, ela se opõe a todas as suas noções de capacidade humana.
O homem que está contando com sua própria força para a salvação não gosta da doutrina da cruz. Se alguém lhe pregasse um evangelho que diz que o pecador tem o poder de salvar a si mesmo – se lhe pregasse um evangelho que diz que Cristo, tendo morrido para colocar todos os homens em condições salvável, eles só têm de exercer o poder que possuem e eles serão capazes de entregarem-se – se um homem pregasse, portanto, algo que exalta a habilidade e a força da criatura – ele nunca ofenderia seus ouvintes não regenerados!
Mas se uma vez ele começa a lançar o pecador no pó e ensinar o que o próprio Cristo ensinou – “Ninguém pode vir a mim se o Pai que me enviou não o trouxer” – e que, nas Escrituras, todos os homens são declarados como sendo “mortos em delitos e pecados”, então o pecador orgulhoso vai se virar e dizer: “Eu não vou ser tão insultado, por ter todos os meus poderes nivelados ao chão!
Estou feito em uma mera máquina, ou em um pedaço de argila e jazendo passivo nas mãos do Oleiro? Não vou submeter-me a tal indignidade!”
Se o ministro lhe der um pouco a fazer, ele mesmo, e deixá-lo sacrificar um pouco ao seu próprio ídolo, ele vai beber a falsa doutrina como o boi bebe água! Mas visto que dizemos que ele é impotente, como o pobre homem sangrando quando o samaritano o encontrou, ele diz: “Eu não terei nada a ver com você!”
E a Cruz ofende os homens, mais uma vez, porque vai claramente contra suas ideias de mérito humano. Não há uma alma em todo o mundo que, por natureza, gosta de ser despojada de todo o mérito. Não, a última coisa que um homem quererá separar-se é a sua justiça.
Eu conheci pobres pecadores ficarem no cume do Sinai até que seus joelhos batiam um no outro, mas eles se apegaram à sua autojustiça, mesmo ali! Eu conheci homens que estando onde os terremotos de Deus estava sacudindo o chão sob seus pés e os trovões e relâmpagos estavam jogando acima de suas cabeças, mas eles ainda aferraram-se à sua autojustiça!
É uma coisa difícil de retirar isso dos homens. Vocês sabem como Bunyan diz que quando Grande-Coração matou Gigante Desespero, o gigante “teve, como se costuma dizer, tantas vidas quanto um gato”. E estou certo de que a autojustiça tem muitas mais vidas do que isso – é a coisa mais difícil do mundo de matar!
Você pode cortar a má erva daninha, justiça própria, para cima, mas quando você pensa que tem a última raiz dela, ela vai estar brotando novamente antes de afiar a faca para cortá-la mais uma vez! Este mal é produzido na natureza humana.
Quando você pregar contra ela, verá como os homens rugirão para você – eles não podem suportar esse ensinamento! Às vezes eu recebo cartas de pessoas que dizem: “Não ficaria surpreso se toda a sua congregação estivesse vivendo em pecado, pois você está sempre pregando contra a justiça do homem e convidando os pobres pecadores para vir a Cristo pela fé simples,  ser salvo pela Graça, somente”.
Eu ouso dizer que não ficaria surpreso se tal coisa acontecesse, mas eu ficaria surpreso se o meu povo, como um todo, vivesse em pecado! Eu louvo a Deus que eu não tenho motivo para pensar sobre esse assunto, pois um povo mais santo você não vai encontrar deste lado do Céu do que aqueles que recebem em seus corações a Doutrina da Justiça Imputada de Cristo.
Isto eu vou dizer deles, que a Graça tem operado bons frutos neles, que eles andam no temor do Senhor, em amor uns para com os outros e na prática da retidão e santidade.
Mas os homens do mundo não podem suportar este ensinamento porque reduz a nada seus méritos que eles pensam serem muitos!
Diga aos homens que eles são um bom tipo de gente - eles gostam de ouvir isso! Dê às pessoas um bom elogio de si mesmas e elas vão gostar de ouvi-lo – mas a presunção é a ruína de dezenas de milhares! Tenho certeza de que somente quando começamos a dizer – “Eu sou um pobre pecador, e absolutamente nada, mas Jesus Cristo é o meu Tudo-em-Todos” – é que seremos salvos.
Mas enquanto estamos contentes com nós mesmos, em nossa condição pecaminosa natural, não há a menor esperança para nós.
Então, você vê, este é “o escândalo da Cruz”, [isto é] que os homens não deixam de confiar em seus próprios méritos! Mas há um outro escândalo que é muito grave e o mundo nunca perdoou a Cruz, que “ofende” ainda - ela não vai reconhecer quaisquer distinções entre a humanidade. A Cruz faz com que pessoas morais e imorais vão ao céu pelo mesmo caminho!
A Cruz faz com que ricos e pobres entrem no Céu pela mesma porta! A Cruz faz com que o filósofo e camponês caminhem no mesmo caminho da santidade!
A Cruz adquire a mesma coroa para a pobre criatura com um talento assim como o homem com 10 talentos receberá. Portanto, o homem sábio diz: “O quê? Devo ser salvo pela mesma cruz que salva um homem que não conhece suas letras?” Sua distinta senhora pergunta: “Devo ser salva da mesma forma como a minha jovem serva?”
O senhor diz: “Devo ser salvo da mesma maneira que limpa-chaminés?” E aquele que se orgulha de sua justiça própria clama: “O quê? Devo acotovelar contra uma prostituta, [ou] até ao cotovelo de um bêbado na estrada para o Céu? Então, eu não vou para o céu de modo algum”. Então, senhor, você estará perdido! Não há dois caminhos para o céu, é o mesmo caminho para todos que vão para lá e, portanto, a Cruz sempre foi ofensiva para homens nobres e de poder. Poucos reis e rainhas já se inclinaram humildemente diante dela.
Os homens têm coberto a Cruz com algumas decorações finas e eles disseram que a adoraram, mas não era a cruz que importava, era os enfeites vistosos! Se tivesse sido a simples Cruz, teriam arrastado pelas ruas, como povo de Maomé fez com a cruz em Jerusalém. 

 II. Isto leva-me agora a dizer-lhes, em segundo lugar, COMO AS PESSOAS MOSTRAM SUA OFENSA CONTRA A CRUZ DE CRISTO. Nos tempos antigos o fizeram por queimar, torturar e atormentar cristãos, fazendo-os sofrer todos os tipos de agonias indescritíveis. Mas esse método não funcionou, então o Diabo agora adota outras providências.
Ele descobriu que quanto mais ele os oprime, como Israel no Egito, tanto mais se multiplicavam – agora ele age de outra maneira. Como ele faz isso?
Não exatamente pela perseguição aberta, mas “o escândalo da cruz” mostra-se, às vezes, pela perseguição privada. Você não, todos vocês, ouvem a perseguição que está acontecendo em relação ao povo do Senhor.
De vez em quando coisas deste tipo vêm ao meu conhecimento, mas você podem não saber delas. Quantos maridos bêbados há que perseguem suas esposas quase incessantemente porque elas apegaram-se firme a Deus?
Quantos jovens, quantas jovens há que são chamados a sofrer perseguição de pai e mãe, irmã e irmão, pelo amor de Cristo? A perseguição não acabou - ela funciona maliciosamente e não sai abertamente perante o mundo.
Não sai em Smithfield, como fez no passado, embora possa haver muitas casas na vizinhança de Smithfield que fede a isto. Não sai em um traje honesto, mas olha para a sua presa de forma secreta. Não é o leão, mas o chacal rondando, embora seja tão selvagem e tão voraz como sempre.
E quando a perseguição não se exibe em atos positivos, opera por meio de vaias e zombaria - pelo encolher de ombros e, deixe-me dizer, mais homens foram arruinados por esta prática do que pelas piores calúnias! Homens que encolhem os ombros geralmente fazem um trato de malícia, embora eles possam não saber disso.
Quando, sentado à mesa, eu mencionei o nome da pessoa e alguém deu de ombros e disse: “Oh” – o caráter do homem estava meio desaparecido! Se a pessoa tinha algo a dizer contra o outro, por que ele não poderia dizer isso direito para fora e não nos deixar no escuro a supor toda sorte de iniquidades?
Outro homem vai dizer: “Eu não quero perseguir você. Você pode ir à Capela tão frequentemente como você gosta.” No entanto, há, em seu rosto, o sorriso de escárnio e frieza nos lábios, a cruel brincadeira ou difamação!
Cada rumor ocioso é circulado e tudo o que pode ser inventado contra o ministro do Evangelho e contra o povo cristão - todos ainda mostrando que existe agora, como houve nos dias dos Apóstolos, um “Escândalo da Cruz”. Mas eu vou te dizer qual é o plano favorito, hoje em dia. 
Não é opor-se à cruz, mas enrolar e tentar obter uma pequena alteração de sua forma. Homens que odeiam as doutrinas da cruz, dizem: “Nós, também, pregamos o Evangelho”.
 Eles alteraram-no.
Eles o deformaram. Eles criaram “outro evangelho, o qual não é outro”. Deixe os outros dizerem, se quiserem, que sim e não podem reunir-se, que o fogo e a água podem beijar um ao outro, que Cristo e Belial pode ser gêmeos – o verdadeiro ministro de Jesus Cristo  não pode fazer isso! A verdade é a verdade e tudo o que é o oposto não pode ser verdade.
A verdade de Deus é uma só e aquilo que se opõe a ela certamente deve ser erro e falsidade.
Mas é a moda tentar misturar e juntar as duas coisas. Olhe para muitas das igrejas - eles dizem que defendem a Verdade de Deus.
Olhe para os seus artigos - eles têm todos os cinco pontos do Calvinismo. E se você perguntar aos ministros se eles acreditam na a doutrina da eleição – “Certamente”, eles respondem.
Se você perguntarlhes se eles acreditam em todas as grandes verdades cardeais do Evangelho, eles dizem: “Oh, sim, certamente acreditamos nelas! Mas não acho que elas deveriam ser pregadas para as pessoas comuns”. Ah, Senhores!
Vocês têm uma excelente noção de si mesmos, se vocês não acham que “As pessoas comuns” são tão boas como vocês são e que elas possam receber as Doutrinas da Graça assim como vocês podem!
 “Ó, mas essas doutrinas são perigosas! Elas conduzem as pessoas para antinomianismo”.
Eles dizem isso, mas quando escrevemos para eles, eles respondem:
 “Oh, nós somos tão sonoros quanto você é!” Sim, mas é uma coisa para ser sonoro, e outra coisa é pregar o som da Verdade! Eu nunca vou acreditar que um homem seja melhor do que aquilo que ele prega. Se um homem não proclama “a Verdade de Deus, toda a verdade de Deus, e nada mais que a verdade”, nós o apreciamos não o melhor, mas 10 vezes pior, porque ele diz que acredita nisto! Nós preferiríamos que não acreditasse em tudo do que ele escondesse seus reais sentimentos.
Esses homens, que escondem a Verdade de Deus, provam que eles são tão ofendidos com a Cruz como se abertamente tentassem refutar essas doutrinas! Deus nos envie o dia em que as puras, não adulteradas Doutrinas da Graça de Deus, que estão em Cristo Jesus, deverão ser proclamadas em cada igreja e ouvidas em cada rua e recebidas por todos os cristãos professos! III. Agora eu venho, em terceiro lugar, PARA DIZER ALGUMA COISA PARA AQUELES QUE ESTÃO OFENDIDOS COM A CRUZ.
Primeiro, deixe-me dizer que é um grande tolo um homem que não acredita no Evangelho se opor aqueles que creem. Se um homem, ele mesmo, não ama o Evangelho, ele deve deixar livres as outras pessoas que o fazem. Vocês têm ouvido muitas vezes a velha fábula do cão na manjedoura, mas aqui é algo pior, aqui é o cão fora da manjedoura, ele nem sequer deita no feno, e ainda assim ele late para aqueles que vêm se alimentar nele! Ele não ama o evangelho e porque os outros o fazem, ele os odeia! Por que, com certeza, o que vocês não querem para si mesmos, vocês podem deixar que outras pessoas tenham em paz!
Você não precisa se opor a eles por carregar longe o que você considera como lixo inútil! Por que você deve ser tão ofendido e esforçar-se para tomar uma posição  contra a Verdade de Deus, já que você não pode, em sua condição atual, obter nada com isso e pode queima seus dedos em suas dores? Então, em seguida, quão tolo é ser ofendido pela Cruz, vendo que você não pode parar o seu progresso!
Aquele, que deve colocar-se diante carro Juggernaut
1 para ser esmagado seria tão sábio como você que se opõe ao Evangelho. Se isto é verdade, lembre-se, “A Verdade de Deus é poderosa e deve prevalecer”. Quem é você para tentar resistir a ela? Você vai ser esmagado, mas deixe-me dizer-lhe que quando o carro passar por cima de você, a roda não será levantada nem mesmo uma polegada pelo seu tamanho! Pois quem é você?

Um minúsculo mosquito, um verme rastejante que essa roda vai esmagar a menos do que nada e não deixará a você nem mesmo um nome como tendo sido um adversário do Evangelho! Houve homens que se levantaram e disseram: “Vamos parar a carruagem de Cristo”.
Milhares de pessoas olharam para eles e ter ficaram com medo. As trombetas têm soprado alto e bom som e alguns cristãos pobres têm dito: “Afastem-se! Aí vem um homem que vai parar a carruagem do Senhor Jesus”. Em um momento, era Tom Paine
2 . Depois foi Robert Owen
3 . Mas o que aconteceu com eles? Será que o carro parou por eles? Não, ele passou como se nunca tivesse havido um Tom Paine ou um Robert Owen sobre a terra! Que todos os infiéis no mundo seguramente sabem que o Evangelho vai ganhar o seu caminho, não importa o que eles possam fazer. Pobres criaturas!
Seus esforços para se opor, não são dignos de nossa atenção e não precisamos temer que eles possam parar a Verdade de Deus! Bem como um mosquito pensar em apagar o sol! Vá, minúsculo inseto, e faça isso, se você puder! Você só vai queimar suas asas e morrer. Bem como uma mosca pode pensar que poderia beber e secar o oceano. Beba o oceano, se você puder - mais provavelmente você vai afundar nele e ele beberá você! Vocês que desprezam e se opõem ao Evangelho, o que vocês podem fazer? Ele vem em “conquistando e para conquistar”.
Eu sempre acho que quanto mais inimigos o Evangelho possuir, mais ele avançará. Como velho guerreiro disse: “Quanto mais inimigos existem, mais há para serem mortos, mais há a serem feitos prisioneiros e quanto mais há para fugirem.”
 Dobrem seus anfitriões, seus opositores! Venham contra nós com um poder ainda mais poderoso! Rujam ainda mais alto! Caluniem-nos ainda mais abominavelmente! Façam o que puder, a vitória é nossa, pois isso é predestinado!
A coluna maciça da Predestinação Divina permanece firme e em seu topo há as asas de águia indicando a vitória para cada Crente e para toda a Igreja de Cristo! A Verdade de Deus deve e irá conquistar, portanto, você, criatura tola, espera se opor ao Evangelho, porque ele o ofende? A Rocha cortada sem mãos não pode ser quebrada por você - mas se ele cair em cima de você, ele vai moê-lo ao pó! Mas um outro pensamento, e eu tenho cumprido com esta parte de meu assunto. Ó homem, se você odeia o Evangelho, deixe-me solenemente dizer-lhe como você é duplamente tolo para ficar ofendido com Cristo, que é o único que pode salvar você!
Assim pode o homem que se afoga ficar ofendido com a corda que é moldada para ele e que é o único meio de escape! Assim pode o paciente moribundo ficar ofendido com a taça da medicina que é colocado nos lábios e que, somente, pode salvar o corpo da morte!
 Assim pode o homem cuja casa está queimando ficar ofendido com o bombeiro que aproxima-se e coloca a escada de fuga contra sua janela - desta forma é que você deve ficar ofendido com Cristo! Ofendido com Aquele que iria arrebatar-lhe como “um tição da fogo”? Ofendido com Aquele que, sozinho, pode apagar para você o fogo do inferno? Ofendido com Ele, cujo “O escândalo da Cruz” de sangue, sozinho, pode lavá-lo [e torná-lo] branco e dar-lhe um lugar com Ele na glória eterna? Ofendido com Ele? Então, você é louco, de fato! Nem Bedlam
4 , em si, pode produzir um maníaco mais tolo do que você é! Ah, vocês desprezadores, vocês devem se maravilhar e perecer!
Você está ofendido com o Evangelho porque ele diz que você não tem qualquer mérito, embora você não tenha nenhum, então por que você está ofendido? Você está ofendido com o Evangelho porque ele não pergunta qualquer coisa de você, a fim de que você possa ser salvo, no entanto se exigisse qualquer coisa de você, como condição de sua salvação, você estaria perdido!
O Evangelho é apropriado para você - ele é feito com propósito - ele se encaixa à sua condição! É adaptado ao seu caso e você ainda se ofende com ele?
Oh, como você pode ser tão tolo? Você já ouviu falar de um homem que foi ofendido com uma carruagem que o levava porque ele não tinha rodas? Por que você deve se sentir ofendido com a carruagem do Evangelho, porque não poderia avançar, exceto nas rodas da Livre Graça? O quê? Você está ofendido com o Evangelho, porque coloca você para baixo? Você não sabe qual é o melhor lugar para você?
O Diabo teria elevado você muito alto se pudesse, mas isso seria apenas para que ele pudesse arruinar você! Meus queridos amigos, peço-vos, em nome do Senhor Jesus Cristo, Ele mesmo, pensem sobre por que você está ofendido com o Evangelho!
Eu sei que isso vai contra os seus preconceitos. Quando você ouve, você não o ama, mas, lembre-se, é a sua única esperança de salvação. Você está ofendido com o que pode salvar você?
Ofendido com o que pode colocar uma coroa em sua cabeça, um ramo de palmeira em sua mão e lhe dar felicidade para sempre? Então, eu acho que quando você afundar para o inferno, você vai olhar para o céu e dizer: “Ah, Cristo! Fiquei ofendido com Você, mas agora eu vejo que Tu és o único Salvador. Eu odiava o Seu Nome, do qual está escrito: “No nome de Jesus, todo joelho se dobrará”. Eu odiava que o Salvador, que foi o único Salvador para redimir os pecadores do pecado”.
 IV. Por último, TIRAREI UMA OU DUAS INFERÊNCIAS. A primeira é esta: Se a Cruz de Cristo é uma ofensa e sempre foi uma ofensa, qual é a razão pela qual tantos cristãos professos vão tão facilmente de Janeiro a Dezembro e nunca têm algum problema com isso? O velho John Berridge disse: “Se você não pregar o Evangelho, você pode dormir tranquilamente o suficiente. Mas se você o pregar fielmente, dificilmente você vai ter um lugar saudável em sua pele, pois em breve você terá bastante inimigos atacando você”.
 Como é que nós nunca ouvimos falar de qualquer calúnia contra um grande número de ministros? Tudo passa fácil e confortavelmente com eles. Ninguém nunca é ofendido com sua pregação. Os sermões mais eficazes são aqueles que fazem opositores do Evangelho morder os lábios e ranger de dentes. “Essa pregação vale pouco”, Rowland Hill costumava dizer, “Que não pode fazer o Diabo rugir. Ele prega, porém tão pouco da verdade de Deus, que não coloca o velho leão para rugir contra ele”. Dependendo dele, Satanás não aprecia o Evangelho melhor do que ele fez – e o mundo não aprecia o Evangelho mais do que ele faz – e se não há, hoje em dia, tanta perseguição e ódio como costumava haver, isso é porque os homens não proclamam a clara e simplesmente a verdade de Deus, como seus antepassados fizeram!
 As pessoas vão para ouvir bons pregadores língua-de-veludo. Eles gostam do ministro que profetiza coisas agradáveis para eles! “Eu não vou ouvir o Sr. Fulano de Tal”, diz um, “pois ele certamente irá me ofender”.
Agora, qual é a razão para isso? É porque ele prega todo o Evangelho, a pura verdade de Deus! Mas os homens não imaginar que queremos ofendê-los? Não, Deus conhece as coisas duras que muitas vezes nos são ditas [e] nos causam mais dor que elas causam aos nossos ouvintes.
Mas é uma boa coisa, quando pouco se importam com a opinião dos homens e quando aprendemos a viver acima do mundo. Uma vez que deixamos ministros proclamar fielmente o, Evangelho simples, logo iremos ouvir o riso, escárnio e zombaria. Foi um dia mau quando os filhos de Deus criaram afinidade com as filhas dos homens.
E vai ser um dia mal para a Igreja de Cristo, quando o mundo falar bem dela e todos a elogiarem. A denominação contra a qual mais falam geralmente é aquele onde Cristo mais habita!
Mas o que é denominação fluindo em abundância e dando nos joelhos de honra é geralmente a mais corrupta! Pregue o Evangelho ousadamente, firmemente, continuamente, vigorosamente, em verdade- e você não seguirá sem ouvir algo sobre o “Escândalo da Cruz”.
A minha última observação é esta. Ó meus irmãos e irmãs, quantas razões que temos para bendizer e exaltar o nosso Deus gracioso, se a Cruz de Cristo não é uma ofensa para nós! Espero que muitos aqui possam se unir comigo em dizer que não há nada na Bíblia que nos ofende e não há nada no Evangelho que agora nos ofende.
 Se existe  alguma coisa que você não entende, e faz-se “O escândalo da cruz” não o odeie - se parece escuro e misterioso, não o rejeite, mas esteja disposto a aprender tudo o que puder sobre ele.
Ah, meu Deus, se tudo o que eu já preguei é falso, eu estou preparado para negá-lo quando Tu me ensinares melhor! Se tudo o que eu já aprendi é um erro e eu não aprendi isso de Ti, eu não vou ter vergonha de me retratar nessa hora, quando Tu deverá,
Tu mesmo, ensinar e mostrar-me o meu erro. Nós não temos vergonha de trazernos inteiramente para dentro do molde das Escrituras, para levá-lo da mesma forma que está, para acreditar e para recebê-lo. E se você está nesse estado, note bem, você está salvo, porque ninguém pode dizer que ele aceita o Evangelho totalmente, ama-o inteiramente e recebe-o em seu coração – e ainda assim pode ser um estranho para ele! Tenho ouvido pregadores ignorantemente falar de amor “natural” ao Evangelho – não pode haver uma coisa dessas!
Ouvi alguém dizer que havia um amor “natural” a Cristo – é tudo disparate! A natureza não pode gerar um amor a Cristo, nem o amor a qualquer coisa boa – que deve vir de Deus, pois todo amor é dEle! Não há nada de bom em nós por natureza.
Toda convicção deve, de alguma forma ou de outra, vir do Espírito Santo. Mesmo que seja uma temporária, deve ser atribuída a ele se é boa.
Oh, vamos adorar, exaltar e magnificar a poderosa Graça que nos fez amar o Evangelho! Porque eu tenho certeza que, com alguns de nós, houve um momento em que o odiávamos tanto quanto qualquer pessoa em todo o mundo já odiou.
O velho John Newton costumava dizer: “Vocês que são chamados calvinistas – embora vocês não sejam apenas Calvinistas, mas os antigos, sucessores legítimos de Cristo – vocês devem, acima de todos os homens, serem muito gentis com os seus adversários, pois, lembrem-se, de acordo com os seus próprios princípios, eles não podem aprender a Verdade de Deus a menos que eles sejam ensinados por Deus.
E se você tiver sido ensinados por Deus, você deve bendizer o Seu nome – e se eles não foram, você não deveria estar com raiva deles, mas peça a Deus para dar-lhes uma melhor educação”. Não vamos fazer qualquer “escândalo da cruz” extra por causa nosso próprio mau humor, mas vamos mostrar nosso amor à Cruz, amando e tentando abençoar aqueles que têm sido ofendidos com ela. Ah, pobre Pecador, o que você diz?
Você está ofendido com a Cruz? Não, você não é, pois é lá que você deseja perder seus pecados. Você deseja este momento para vir a Cristo? Você diz: “Eu não tenho nenhuma ofensa a Cristo. Oh, que eu soubesse onde eu poderia encontrá-Lo! Eu viria, mesmo, para o seu lugar”. Bem, se você quer Cristo, Cristo quer que você; se deseja a Cristo, Cristo deseja você!
Sim, [e ainda] mais! Se você tem uma faísca de desejo por de Cristo, Cristo tem uma montanha inteira queimando de desejo por de você. Ele te ama mais do que você jamais poderá amá-Lo! Tenha certeza de que você não está à frente de Deus.
Se você está em busca de Jesus, Ele primeiro buscou você. Venha então, você destituído, cansado, perdido, desamparado, arruinado,  principal dos pecadores! Venha colocar a sua confiança em Seu sangue e na Sua justiça perfeita, e você vai seguir o seu caminho regozijando-se em Cristo, liberto do pecado, despojado da iniquidade, feito salvo seguro, embora não tão feliz, como os próprios anjos que agora cantam altos hosanas diante do Trono do Altíssimo!

Fonte: o estandarte de Cristo

Deus, A Melhor Porção do Cristão


Jonathan Edwards

“Quem tenho eu no céu senão a ti? E na terra não há quem eu deseje além de ti.” (Salmos 73. 25)


Neste salmo, o salmista Asafe relata a grande dificuldade que havia em sua mente ao observar os ímpios. Ele diz nos vv. 2 e 3: “Quanto a mim, porém, quase me resvalaram os pés; pouco faltou para que se desviassem os meus passos. Pois eu invejava os arrogantes, ao ver a prosperidade dos perversos”. No v. 4, nos informa o que, nos ímpios, era o motivo de sua tentação. Em primeiro lugar, observa que eram prósperos e tudo lhes ia bem. Observa também o comportamento deles na prosperidade e o uso que faziam dela; e que Deus, apesar dos abusos, aumentava-lhes a prosperidade. Então, nos mostra de que maneira foi auxiliado nessa dificuldade, isto é, indo ao santuário, (vv. 16, 17), e procede para nos informar quais foram as considerações que o auxiliaram lá: 1. A consideração do fim miserável dos ímpios. Ainda que prosperem no presente, chegarão, contudo, a um lamentável fim (vv. 18-20). 2. A consideração do fim bendito dos santos. Embora esses enquanto vivem possam ser afligidos, contudo terão um fim feliz, (vv. 21-24). 3. A consideração de que o justo possui uma porção muito superior à do ímpio, embora não possua outra porção senão Deus, como mostra o texto e os versículos seguintes. Ainda que os ímpios vivam na prosperidade e não tenham problemas como os demais homens, contudo os piedosos, mesmo afligidos, estão em estado infinitamente melhor, porque têm Deus por sua porção. Não precisam desejar nada mais, pois quem tem Deus, tem tudo. Assim o salmista professa o senso e apreensão que teve das coisas: “Quem mais tenho eu no céu? E na terra não há quem eu deseje além de Ti” (Sl 73:25) No versículo imediatamente anterior (Sl 73:24), o salmista observa como os santos são felizes em Deus, tanto quando estão neste mundo, como quando são levados ao outro. São benditos em Deus aqui, pois Ele os guia com os seus conselhos; e quando os toma, ainda são felizes, pois Ele os recebe na glória. Provavelmente isso o levou, no texto, a declarar que não desejava outra porção quer neste mundo ou no porvir, quer no céu, quer na terra. facebook.com/JonathanEdwards.org JonathanEdwardsSelecionados.blogspot.com | OEstandarteDeCristo.com Issuu.com/oEstandarteDeCristo 7 Daí aprendemos que: Doutrina: É o espírito de um homem verdadeiramente piedoso preferir Deus antes de todas as coisas, quer no céu, quer na terra. I. Um homem piedoso prefere Deus antes de todas as coisas no céu. 1. Ele prefere Deus antes de qualquer coisa que haja, de fato, no céu. Todo homem piedoso tem o céu no coração. Suas afeições estão depositadas no que deve haver lá. O céu é sua pátria e herança escolhidas. Ele tem respeito pelo céu assim como um viajante, que está em terra distante, tem pelo seu país. O viajante pode contentar-se em estar em terra estranha por pouco tempo, mas sua própria terra nativa é preferida por ele acima de tudo (Hb 11:13): “Todos estes morreram na fé sem ter obtido as promessas; mas foram persuadidos delas e confessaram que eram estrangeiros e peregrinos sobre a terra. Porque os que falam desse modo manifestam estar procurando uma pátria”. O respeito que o justo tem pelo céu pode ser comparado ao de uma criança, que está no estrangeiro, tem pela casa de seu pai. Ela pode estar satisfeita por pouco tempo, mas o lugar para onde deseja retornar e onde quer morar é sua própria casa. O céu é a morada do Pai dos verdadeiros santos. Jo 14:2: “Na casa de meu Pai há muitas moradas”. Jo 20:17: “Subo para meu Pai e vosso Pai”. Agora, a razão pela qual os piedosos têm desse modo o coração no céu é porque Deus está lá - é o palácio do Altíssimo. É o lugar onde Deus está gloriosamente presente, onde seu amor é gloriosamente manifesto, onde o piedoso pode estar com Ele, vê-lo como Ele é, e amá-lo, servi-lo, louvá-lo e gozá-lo perfeitamente. Se Deus e Cristo não estivessem no céu, não seriam tão ávidos em buscá-lo, nem suportariam tantas dores em uma laboriosa jornada através deste deserto, nem a consideração de que irão ao céu após a morte serviria de conforto nos labores e aflições. Os mártires não suportariam sofrimentos cruéis de seus perseguidores com uma alegre perspectiva de irem ao céu, se lá não esperassem estar com Cristo, e regozijar-se com Deus. Não iriam alegremente esquecer suas posses terrenas, e todos os amigos mundanos, como milhares deles fizeram, vagando na pobreza e na rejeição, sendo indigentes, afligidos, atormentados, trocando sua herança terrena por uma celestial, não fosse sua esperança de estar com seu glorioso Redentor e com o Pai celeste. O coração do crente está no céu, porque o seu tesouro está lá. 2. O homem piedoso prefere Deus antes de qualquer coisa que possa haver no céu. Não apenas não há nada no céu que rivalize na sua estima com Deus; mas nada há que ele facebook.com/JonathanEdwards.org JonathanEdwardsSelecionados.blogspot.com | OEstandarteDeCristo.com Issuu.com/oEstandarteDeCristo 8 possa conceber, nada que possivelmente esteja lá, que seja mais estimado ou desejado por ele do que Deus. Alguns supõem que há no céu delícias bem diferentes daquelas que as Escrituras nos ensinam. Os muçulmanos, por exemplo, supõem que no céu devem ser desfrutados todos os tipos de delícias e prazeres sensuais. Muitas coisas que Maomé inventou são das mais convenientes para as luxúrias e apetites carnais dos homens que se possa imaginar, e, com elas, lisonjeou seus seguidores. Mas os verdadeiros santos não conseguem imaginar algo mais adequado a suas inclinações e desejos do que o que está revelado na Palavra de Deus: um céu de gozo do Deus glorioso e do Senhor Jesus Cristo. Lá, estarão livres de todos os seus pecados, e serão perfeitamente conformados a Deus, e passarão uma eternidade em exercícios exaltados de amor por Ele, e no usufruto do Seu amor. Se Deus não pudesse ser usufruído no céu, mas apenas vasta riqueza, imensos tesouros de prata e ouro, grande honra do tipo que os homens obtêm neste mundo, e uma plenitude dos maiores prazeres e delícias sensuais - nenhuma dessas coisas suplantaria a necessidade por Deus e por Cristo, nem a fruição deles no céu. Se este estivesse vazio de Deus, seria de fato um lugar solitário e melancólico. O piedoso está sensível que todas as diversões humanas não podem satisfazer a alma; e, portanto, nada o contentará senão Deus. Ofereça a ele o que for, se o privar de Deus, considerarse-á miserável. Deus é o centro dos seus desejos e quando você afasta sua alma do seu centro, ela não terá descanso. II. É a disposição natural de um homem piedoso preferir Deus a todas as coisas sobre a terra. 1. O santo prefere esse gozo de Deus, pelo qual espera no porvir, a qualquer coisa neste mundo. Não olha tanto para as coisas que são visíveis e temporais, mas para as invisíveis e eternas (1 Co 4:18). O santo não desfruta senão um pouco de Deus neste mundo; não tem senão pouca intimidade com Deus, e goza um pouco das manifestações de sua glória e amor divinos. Mas Deus prometeu lhe dar, no porvir, plena fruição. E estas promessas são mais preciosas para o santo que as mais preciosas joias terrenas. O evangelho contém maiores tesouros, em sua estima, que os cofres de príncipes ou as minas dos índios. 2. Os santos preferem o que pode ser obtido de Deus nesta vida a todas as coisas no mundo. Há grande diferença nas realizações espirituais presentes dos santos. Alguns atingem maior intimidade e comunhão com Deus e conformidade com Ele que outros. Mas as maiores realizações são ínfimas em comparação às futuras. Os santos são capazes de progredir nas realizações espirituais e sinceramente desejam estas realiza- ções adicionais. Não contentes com os graus já alcançados, estão famintos e sedentos de justiça e, como crianças recém-nascidas, desejam o sincero leite da Palavra, para que, facebook.com/JonathanEdwards.org JonathanEdwardsSelecionados.blogspot.com | OEstandarteDeCristo.com Issuu.com/oEstandarteDeCristo 9 por ela, possam crescer. É seu desejo conhecer mais de Deus, ter mais de sua imagem, e serem capacitados ainda mais à imitação de Deus e de Cristo em sua caminhada e conversação. Sl 27:4: “Uma coisa peço ao SENHOR, e a buscarei: que eu possa morar na Casa do SENHOR todos os dias da minha vida, para contemplar a beleza do SENHOR e meditar no seu templo”. Sl 42:1, 2: “Como suspira a corça pelas correntes das águas, assim por ti, ó Deus, suspira a minha alma. A minha alma tem sede de Deus, do Deus vivo; quando irei e me verei perante a face de Deus?” Sl 63:1, 2: “Ó Deus, tu és o meu Deus, eu te busco intensamente; a minha alma tem sede de ti! Todo o meu ser anseia por ti, numa terra seca, exausta e sem água”. Veja também o Sl 84:1-3 e Sl 130.6: “A minha alma anseia pelo Senhor mais do que os guardas pelo romper da manhã. Eu digo, mais do que os guardas pelo romper da manhã”. Ainda que nem todo santo tenha este ávido desejo por Deus no mesmo grau que tinha o salmista, contudo são do mesmo espírito; desejam sinceramente ter mais de Sua presença em seus corações. Que este é o temperamento do piedoso em geral e não apenas de alguns santos em particular, mostra-se em Is 26:8, 9, onde se fala não de algum santo em particular, mas da igreja em geral o seguinte: “Também através dos teus juízos, SENHOR, te esperamos; no teu nome e na tua memória está o desejo da nossa alma. Com minha alma suspiro de noite por ti e, com o meu espírito dentro de mim, eu te procuro diligentemente; porque quando os teus juízos reinam na terra, os moradores do mundo aprendem justiça”. Veja também Ct 3:1, 2. v. 6, 8. Os santos nem sempre estão nestes vívidos exercícios da graça: mas possuem tal espírito e têm o sensível exercício dele. Desejam Deus e as realizações divinas mais do que todas as coisas terrenas; e buscam ser ricos em graça mais do que fazem para obter todas as riquezas. Desejam a honra que procede de Deus, mais do que a dos homens (Jo 5:44) e comunhão com Ele mais do que qualquer prazer terreno. São do mesmo espírito que o apóstolo expressa em Fl 3:8: “Sim, deveras considero tudo como perda por causa da sublimidade do conhecimento de Cristo Jesus, meu Senhor; por amor do qual perdi todas as coisas e as considero como refugo, para ganhar a Cristo”. 3. O santo prefere o que já tem de Deus a qualquer coisa neste mundo. O que foi infundido no seu coração na conversão lhe é mais precioso que qualquer coisa que o mundo possa ofertar. As visões que, às vezes, lhe são concedidas da beleza e excelência de Deus, lhe são mais preciosas que todos os tesouros dos ímpios. Ele valoriza mais a relação de criança na qual está para com Deus, a união que há entre sua alma e Jesus Cristo, do que a maior dignidade terrena. Essa imagem de Deus que está estampada em sua alma, ele valoriza mais do que quaisquer ornamentos terrenos. Em sua estima, é melhor ser adornado com as graças do Espírito Santo de Deus do que brilhar em joias de facebook.com/JonathanEdwards.org JonathanEdwardsSelecionados.blogspot.com | OEstandarteDeCristo.com Issuu.com/oEstandarteDeCristo 10 ouro, e com as mais caras pérolas, ou ser admirado pela maior beleza exterior. Valoriza mais o manto da justiça de Cristo, que tem em sua própria alma, do que os mantos de príncipes. Prefere os prazeres e delícias espirituais que, às vezes, tem em Deus, muito mais que todos os prazeres do pecado. Sl 84:10: “Pois um dia nos teus átrios vale mais que mil; prefiro estar à porta da casa do meu Deus, a permanecer nas tendas da perversidade”. Desse modo, o santo prefere Deus a todas as coisas neste mundo, pois: 1. Prefere Deus a todas as coisas que possui no mundo. Prefere Deus a todos os gozos temporais. Sl 16:5, 6: “O SENHOR é a porção da minha herança e o meu cálice; tu és o arrimo da minha sorte. Caem-me as divisas em lugares amenos, é mui linda a minha herança”. Se for rico, o seu coração está principalmente nas riquezas celestiais. Prefere Deus a todos os amigos terrenos, e o favor divino a qualquer respeito obtido de criaturas semelhantes. Embora, inadvertidamente, tenham lugar no seu coração, e lugar até demais; contudo reserva o trono para Deus. Lc 14:26: “Se alguém vem a mim e não aborrece a seu pai, e mãe, e mulher, e filhos, e irmãos, e irmãs e ainda a sua própria vida, não pode ser meu discípulo”. 2. Ele prefere Deus a qualquer prazer terreno do qual tenha perspectiva. Os filhos dos homens põem, comumente, sua confiança mais em alguma felicidade terrena que esperam e pela qual buscam, do que naquilo que têm em posse no presente. Mas um homem piedoso prefere Deus a todas as coisas que espera neste mundo. Ele pode, com efeito, pela prevalência da corrupção, deixar-se por um tempo se levar por algum divertimento; contudo, cairá novamente em si, não sendo este seu temperamento, uma vez que é outro o seu espírito. 3. É o espírito de um homem piedoso preferir Deus a qualquer gozo terreno que possa conceber. Prefere-o não apenas a qualquer coisa que possui, mas nada vê em posse de outras pessoas que seja tão estimável. Tivesse ele a maior prosperidade do mundo, ou pudesse satisfazer todos os seus desejos terrenos, ainda assim, valorizaria a porção que já tem em Deus incomparavelmente mais. Ele prefere Cristo aos reinos terrenos. Aplicação 1. Portanto, podemos aprender que quaisquer que sejam as mudanças pelas quais passe o justo, ele é feliz. Isso porque Deus, que é imutável, é sua porção preferida. Embora enfrente perdas temporais, seja privado de muitas, sim, até mesmo de todas as alegrias facebook.com/JonathanEdwards.org JonathanEdwardsSelecionados.blogspot.com | OEstandarteDeCristo.com Issuu.com/oEstandarteDeCristo 11 transitórias, contudo Deus, a quem prefere acima de tudo, ainda permanece e não pode ser perdido. Enquanto está neste mundo mutável, cheio de problemas, é feliz, pois sua porção escolhida, sobre a qual constrói o fundamento de sua felicidade, está acima do mundo e acima de todas as mutações. E quando vai ao outro ainda é feliz, pois sua porção permanece. Pode ser privado de tudo, exceto de sua principal porção; sua herança permanece segura. Pudessem os homens de mente carnal encontrar um modo de assegurar para si as alegrias terrenas, em que seus corações estão principalmente firmados, de forma que não pudessem ser perdidas nem diminuídas enquanto vivessem, como considerariam grande privilégio, ainda que outras coisas que estimam em menor grau estivessem sujeitas à mesma incerteza de agora! Por outro lado, esses prazeres terrenos nos quais os homens depositam principalmente seus corações, são, com frequência, transitórios. Mas como é grande a felicidade daqueles que escolheram a Fonte de todo bem, que O preferem a todas as coisas no céu ou na terra e que jamais podem ser privados dEle por toda a eternidade! 2. Que todos à vista dessas coisas examinem e testem a si mesmos, se são santos ou não. Uma vez que o que foi exposto é o espírito dos santos, e lhes é peculiar, ninguém pode usar a linguagem do texto e dizer: “Quem mais tenho eu no céu? Não há outro em quem eu me compraza na terra”, senão os santos. A escolha de um homem é o que determina seu estado. O que escolhe Deus por sua porção e O prefere a todas as coisas é um homem piedoso, pois esse O escolhe e adora como Deus. Honrá-lo como Deus é respeitá-lo acima de todas as coisas; e se alguém O honra como o seu Deus, seu Deus Ele é; há uma união e relação de pacto entre esse homem e o verdadeiro Deus. Todo homem é à semelhança de seu Deus. Se quiser saber quem é o homem, se é piedoso ou não, questione-o sobre quem é o seu Deus. Se o verdadeiro Deus for aquele a quem tem supremo respeito, a quem considera acima de tudo, sem dúvidas, ele é um servo do Deus verdadeiro. Mas se o homem tem algo a mais pelo qual tem maior respeito do que a Jeová, então este homem não é piedoso. Questionem-se, portanto, quanto a sua situação – vocês preferem Deus acima de todas as coisas? Às vezes, pode ser difícil a determinação satisfatória disso, pois o ímpio pode ser ludibriado por falsas afeições e o piedoso, baseado em débeis padrões, pode perder [a noção] destas coisas. Portanto, vocês devem fazer uma autoanálise quanto a esta matéria, de diversos modos; se não puderem falar plenamente sobre uma coisa, talvez possam em relação a outras: 1. Qual é o desejo principal que os faz querer ir ao céu quando morrerem? É verdade que facebook.com/JonathanEdwards.org JonathanEdwardsSelecionados.blogspot.com | OEstandarteDeCristo.com Issuu.com/oEstandarteDeCristo 12 alguns não têm grande desejo de ir para o céu. Não se importam em ir para o inferno, mas se pudessem se safar dele, não teriam muita preocupação com o céu. Se este não for o seu caso, mas vocês acham que têm desejo de ir para o céu, então se questionem quanto ao porquê disso. É precipuamente por querer estar com Deus, ter comunhão com Ele, e ser conformado a Ele para que possam vê-lo, e desfrutá-lo lá? É esta a consideração que guarda seus corações, e desejos e expectativas em relação ao céu? 2. Se vocês pudessem evitar a morte, e tivessem livre escolha, escolheriam viver sempre neste mundo sem Deus, ao invés de, no tempo dele, partir do mundo a fim de estar com Ele? Se pudessem viver aqui em prosperidade terrena por toda a eternidade, mas destituído da Sua presença e comunhão – não tendo relação espiritual entre Deus e suas almas, sendo vocês e Deus alienados uns dos outros para sempre – escolheriam isso ao invés de partir do mundo, a fim de habitar no céu como filhos de Deus, aproveitando lá os privilégios gloriosos de filhos, em um amor santo e perfeito a Ele, e no Seu gozo por toda a eternidade? 3. Vocês preferem Cristo a todos os outros como o caminho para o céu? Aquele que escolhe verdadeiramente Deus, O prefere em cada pessoa da Trindade: Pai, Filho e Espírito Santo: o Pai, como seu Pai; o Filho como seu Salvador; o Espírito Santo como seu Santificador. Questionem-se, portanto, não apenas se escolheram o gozo de Deus no céu como sua mais alta porção e felicidade, mas também se escolheram a Jesus Cristo antes de todas as coisas, como o caminho para o céu; e isso com um senso da excelência de Cristo, e do caminho da salvação por Ele, como sendo algo [que serve] para a glória de Cristo e da soberana graça. É o caminho da livre graça, pelo sangue e justiça do bendito e glorioso Redentor, o caminho mais excelente para a vida em sua estima? Isso acrescenta valor para a herança celestial que é desta forma conferida? Isso é muito melhor para vocês que ser salvo por suas próprias justiças, por quaisquer de suas realizações, ou por qualquer outro mediador? 4. Se pudessem ir para o céu da maneira que lhes agradasse, vocês prefeririam a todos os outros o caminho do estrito andar com Deus? Os que preferem Deus da maneira como foi representado escolhem-no não apenas no fim, mas no meio. Preferem estar com Deus a qualquer outro, não apenas quando chegam ao fim de sua jornada, mas também enquanto estão na sua peregrinação. Preferem andar com Deus, embora seja caminho de labor, e cuidado, e auto renúncia ao invés do caminho do pecado, embora este seja caminho de ociosidade e gratificação das luxúrias. 5. Se vocês pudessem passar a eternidade neste mundo, escolheriam antes viver em circunstâncias humildes e rebaixadas, tendo a graciosa presença de Deus, a viver para facebook.com/JonathanEdwards.org JonathanEdwardsSelecionados.blogspot.com | OEstandarteDeCristo.com Issuu.com/oEstandarteDeCristo 13 sempre na prosperidade sem Ele? Prefeririam gastá-la no santo viver, servindo e andando com Deus e no gozo dos privilégios de seus filhos? Deus, com frequência, se manifestando a vocês como Pai, revelando-lhes a Sua glória, manifestando Seu amor e levantando a luz do seu rosto sobre vocês! Escolheriam antes essas coisas, embora em pobreza, a abundar nas coisas mundanas, vivendo na opulência e prosperidade, e, ao mesmo tempo, sendo um estranho à aliança de Israel? Poderiam se satisfazer em não estar em relação filial com Deus, não gozar de gracioso relacionamento com Ele, não tendo direito algum de serem reconhecidos como filhos? Ou tal vida, mesmo que com enorme prosperidade terrena, seria por vocês estimada como miserável? Se, apesar de tudo, vocês permanecerem em dúvida, e com dificuldade em determinar se preferem verdadeira e sinceramente Deus a todas as outras coisas, mencionarei duas coisas que são os modos mais certos de determinar-se nesta matéria, e que parecem ser as melhores bases de satisfação nela. 1. O sentimento de algum particular, forte e vívido exercício de tal espírito. Uma pessoa pode ter tal espírito que é referido na doutrina, e ter o exercício dele em um grau inferior, e ainda assim permanecer em dúvida quanto a tê-lo ou não, e ser incapaz de chegar a uma determinação satisfatória. Mas Deus se agrada de, às vezes, dar descobertas de Sua glória, e da excelência de Cristo, a fim de impelir o coração, para que saibam além de toda dúvida, que sentem o mesmo espírito referido por Paulo quando disse que contava todas as coisas como perda por causa da excelência de Cristo Jesus, seu Senhor, e possam dizer tão ousadamente como ele, e como o salmista, no texto: “Quem mais tenho eu no céu? Não há outro em quem eu me compraza na terra”. Em tais tempos o povo de Deus não precisa da ajuda de ministros para satisfazê-los quanto a terem o verdadeiro amor de Deus, pois claramente o veem e sentem; e o Espírito de Deus então testemunha com seus espíritos que são filhos de Deus. Portanto, se vocês estiverem satisfeitos a este ponto, e honestamente buscam tais realizações; busquem para que possam ter claros e vívidos exercícios deste espírito. Para este fim, devem se esforçar para crescer em graça. Embora tenham tido tais experiências no passado, e elas os satisfizeram então, contudo, vocês podem novamente entrar em dúvidas. Devem, portanto, buscar para que elas sejam mais frequentes, e o caminho nessa direção é sinceramente seguir adiante, para que tenham mais intimidade com Deus, e tenham os princípios da graça fortalecidos. Este é o caminho para fortalecer os exercícios da graça, vivificá-los, e torná-los mais frequentes, e assim serem satisfeitos em ter um espírito de amor supremo a Deus. 2. O outro caminho é inquirir se vocês preferem Deus a todas as coisas na prática, isto é, facebook.com/JonathanEdwards.org JonathanEdwardsSelecionados.blogspot.com | OEstandarteDeCristo.com Issuu.com/oEstandarteDeCristo 14 quando têm a ocasião de manifestar pela sua prática aquilo que vocês preferem – quando podem se apegar a um ou a outro, e devem esquecer-se de uma ou outra coisa, ou de Deus – se então for seu costume na prática preferirem Deus a todas as outras coisas, sejam elas quais forem, mesmo aquelas terrenas as quais seus corações estão mais ligados. Suas vidas são apegadas a Deus e o servem deste modo? O que prefere sinceramente Deus à todas as outras coisas em seu coração, o fará na sua prática. Pois quando Deus e todas as outras coisas vierem a competir, esse é o teste apropriado para saber o que um homem prefere; e a maneira de agir em tais casos deve certamente determinar qual deve ser a escolha em todos os agentes livres, ou aqueles que agem em escolha. Portanto, não há sinal de sinceridade mais insistido na Bíblia que este: que neguemos a nós mesmos, vendamos tudo, esqueçamos o mundo, tomemos a cruz, e sigamos Cristo aonde quer que Ele vá. Portanto, corram dessa maneira, não na incerteza; assim lutem, não como quem desfere socos ao ar; mas esmurrem seus corpos e os reduzam à escravidão. E ajam não como se houvessem atingido a perfeição; mas fazendo uma coisa: “Esquecendo-me das coisas que para trás ficam e avançando para as que diante de mim estão, prossigo para o alvo, para o prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus”. E 2 Pe 1.5: “Por isso mesmo, vós, reunindo toda a vossa diligência, associai com a vossa fé a virtude; com a virtude, o conhecimento; com o conhecimento, o domínio próprio; com o domínio próprio, a perseverança; com a perseverança, a piedade; com a piedade, a fraternidade; com a fraternidade, o amor. Porque estas coisas, existindo em vós e em vós aumentando, fazem com que não sejais nem inativos, nem infrutuosos no pleno conhecimento de nosso Senhor Jesus Cristo”.

Fonte: JonathanEdwardsSelecionados.blogspot.com.br

A grande tentação de Jose e seu gracioso Livramento


Ele, porém, deixando as vestes nas mãos dela, saiu, fugindo para fora.(Gn 39. 12b)

Temos aqui, e no contexto, um relato do notável procedimento de José na casa de Potifar, que foi motivo tanto de sua grande aflição quanto de seu alto progresso e prosperidade na terra do Egito.
Lemos, no início do capítulo, como José, após ter sido cruelmente tratado por seus irmãos, e vendido ao Egito como um escravo, prosperou na casa de Potifar, que o havia comprado. José temia a Deus, portanto, Deus estava com ele, a ponto de influenciar o coração de seu senhor, que, ao invés de mantê-lo como um mero escravo, conforme o propósito original de sua compra, o fez seu mordomo e superintendente de toda a sua casa. Tudo o que tinha pôs em suas mãos, de tal maneira que somos informados no v. 6: “Potifar tudo o que tinha confiou às mãos de José, de maneira que, tendo-o por mordomo, de nada sabia, além do pão com que se alimentava.
Enquanto José estava nestas prósperas circunstâncias, encontrou-se em meio a grande tentação na casa de seu senhor. Lemos que, sendo um rapaz bonito de porte e de aparência, sua senhora pôs nele os olhos e o desejou, e usou toda sua arte para tentá-lo a cometer impureza com ela.
Com relação a essa tentação, e ao procedimento de José nela, muitas coisas são dignas de nota, particularmente:
Podemos observar como foi grande a tentação na qual esteve José. Deve ser levado em conta que ele estava, naquele momento, em sua juventude, uma época da vida em que as pessoas estão mais sujeitas a ser vencidas por tentações dessa natureza. E encontrava-se em um estado de inesperada prosperidade na casa de Potifar, o que tem a tendência de envaidecer as pessoas, especialmente as jovens, pelo que é comum que mais facilmente caiam diante das tentações.
Ademais, a superioridade da pessoa que deu ocasião à sua tentação a tornou ainda maior. Era sua patroa, e ele um servo dela. E também a maneira dela o tentar, pois não apenas se insinuava para ele, para fazê-lo suspeitar que poderia ser admitido a um relacionamento proibido com ela, mas diretamente lhe fazia propostas, manifestando-lhe claramente sua disposição. Assim, não havia aqui algo como uma suspeita da disposição da parte dela para o encorajar, mas uma manifestação de seu desejo para atiçá-lo. De fato, ela parecia bastante engajada na matéria. E não havia apenas seu desejo manifesto de provocá-lo, mas sua autoridade sobre ele para reforçar a tentação. Era sua patroa, e ele bem podia imaginar que, se recusasse totalmente se submeter, incorreria no seu desfavor, e ela, sendo a mulher do seu senhor, tinha poder para trabalhar em seu prejuízo, e tornar sua situação muito desconfortável na família.
E a tentação foi maior, pois ela não apenas o tentou uma vez, mas frequentemente, todos os dias (v. 10). Por fim, se tornou mais violenta com ele. Pegou-o pelas vestes, dizendo: Deita-te comigo.
A postura de José foi muito notável nessas tentações. Recusou, em absoluto, qualquer comprometimento. Não deu qualquer resposta que manifestasse que a tentação o houvesse vencido. Menos ainda hesitou ou deliberou quanto a ela. Não cedeu em nenhum grau, quer ao ato grosseiro que ela propunha, quer a algo que tendesse para ele, ou que pudesse de alguma maneira satisfazê-la em suas ímpias inclinações. E persistiu resoluto e inabalável sob as contínuas solicitações da mulher: “Falando ela a José todos os dias, e não lhe dando ele ouvidos, para se deitar com ela e estar com ela.” (v. 10) Ele evitou ao máximo até mesmo estar onde ela estava. E os motivos e princípios baseados nos quais agiu, e que foram manifestos pela sua resposta às solicitações da mulher, são notáveis.
Primeiramente, mostra-lhe como seria injurioso se agisse contra o seu senhor, se aquiescesse a sua proposta: “Tem-me por mordomo o meu senhor e não sabe do que há em casa, pois tudo o que tem me passou ele às minhas mãos. Ele não é maior do que eu nesta casa e nenhuma coisa me vedou, senão a ti, porque és sua mulher.” (Gn 39.8,9). Então, prossegue para informá-la do que, acima de tudo, o impedia de comprometer-se, isto é, que seria grande impiedade e pecado contra Deus: “Como, pois, cometeria eu tamanha maldade e pecaria contra Deus?” Isso ele não faria de forma alguma, assim como não prejudicaria seu senhor. Mas, o que acima de tudo o influenciava nessa ocasião era o temor de pecar contra Deus. Por este motivo, persistiu em sua resolução até o fim.
No texto, temos um relato do seu comportamento na última e maior tentação da parte dela. Foi uma grande tentação, uma vez que ocorreu em um momento em que não havia ninguém na casa, exceto ele e sua patroa (v. 11). Houve uma oportunidade para cometer o fato no maior segredo. E, nesse momento, parece que ela foi ainda mais violenta que antes, pois o pegou pelas vestes, apossou-se dele, como se estivesse resoluta em atingir seu propósito.
Nessas circunstâncias, ele não apenas a recusou como fugiu dela, como teria feito se fosse alguém disposto a assassiná-lo. Fugiu como se fosse por sua vida. Ele assegurou-se não apenas de não se tornar culpado do fato, mas também de, por todos os modos, escapar da casa dela, onde estaria no caminho de sua tentação. Este comportamento de José está, sem dúvida, registrado para a instrução de todos nós. Portanto, das palavras ditas, observarei que é nosso dever não apenas evitar aquelas coisas que são em si pecaminosas, mas também, até onde for possível, aquelas que levam e expõem ao pecado.
Assim fez José, não apenas se recusou a realmente cometer impureza com sua patroa, que o provocara, mas se recusou a ficar lá, onde pudesse estar no caminho da tentação (v. 10). Recusou-se a estar com ela e a permanecer ali. E, no texto, lemos que “saiu, fugindo para fora.” (v. 12) Não ficaria de maneira nenhuma em sua companhia. Não seria pecado se José permanecesse na casa onde sua patroa estava, mas, nestas circunstâncias, isso o exporia ao pecado. Ele tinha consciência que tinha um coração corrupto, que tendia a traí-lo ao pecado; portanto, de maneira nenhuma ficaria no caminho da tentação, mas apressadamente fugiria, correria do lugar do perigo. Uma vez que estava exposto ao pecado nessa casa, fugiu dela com tanta pressa quanto teria se ela estivesse em chamas, ou repleta de inimigos com espadas afiadas para estocá-lo no coração. Quando ela o tomou pelas vestes, ele as deixou em suas mãos; preferiu perdê-las a permanecer um só momento lá, onde estaria em tamanho perigo de perder sua castidade.
Eu disse que as pessoas devem evitar as coisas que expõem ao pecado até onde for possível,porque é possível que as pessoas sejam chamadas a se expor à tentação. Quando isso ocorrer, podem esperar por fortalecimento e proteção divinas na tentação.
Pode ser o dever indispensável de um homem exercer um ofício ou trabalho acompanhado com uma grande quantidade de tentação. Assim, ordinariamente um homem não deveria correr para a tentação de ser perseguido pela causa da verdadeira religião, para que a tentação não lhe seja dura demais. Mas deve evitá-la, tanto quanto puder. Desse modo Cristo ordena a seus discípulos: “Quando, porém, vos perseguirem numa cidade, fugi para outra.” (Mt 10.23)
Contudo, pode ser o caso que um homem não foi chamado para fugir da perseguição, mas sofrer o risco de tal provação, confiando em Deus para sustentá-lo nela. Ministros e magistrados podem ser obrigados a continuar com seu povo em tais circunstâncias, como diz Neemias: “Homem como eu fugiria?” (Nm 6.11) Da mesma maneira ocorreu com os apóstolos. Podem até mesmo ser chamados para ir ao meio dela, àqueles lugares onde não podem sensatamente esperar outra coisa senão encontrar-se com essas tentações. Assim Paulo subiu a Jerusalém, onde sabia de antemão que “me esperam cadeias e tribulações.” (At 20.23)
Da mesma forma, em alguns outros casos, a necessidade do momento pode exigir que as pessoas se comprometam em alguns negócios que são peculiarmente acompanhados com tentações. Mas quando isso ocorre estão, na realidade, minimamente expostas ao pecado; pois os mais seguros são os que estão no caminho do dever: “Quem anda em integridade anda seguro.” (Pv 10.9) Embora haja inúmeras coisas pelas quais possam ter extraordinárias tentações nos assuntos em que se empenharem, contudo, se tiverem uma vocação clara, não é presunção esperar o suporte e a preservação divina.
Mas expor-se desnecessariamente às tentações e fazer aquelas coisas que tendem ao pecado é injustificável e contrário a esse exemplo excelente diante de nós. E que deveríamos evitar não apenas aquelas coisas que são, em si mesmas, pecaminosas, mas também as coisas que levam eexpõem ao pecado, evidencia-se pelos seguintes argumentos.
1. É muito evidente que deveríamos fazer uso de nossos máximos esforços para evitar o pecado. Ora, isso é inconsistente com a prática desnecessária daquelas coisas que expõem e levam ao pecado. Quanto maior é qualquer mal, maior o cuidado e mais diligente o esforço que se requer para evitá-lo. Nosso maior cuidado  é proporcional a nossa percepção da grandeza e terror dos males. Portanto, o maior dos males requer o maior e mais elevado cuidado para evitá-lo.
  O pecado é um mal infinito, pois é cometido contra um Ser infinitamente grande e excelente; é, pois, uma violação de obrigação infinita. Portanto, conquanto seja grande nosso cuidado para evitar o pecado, não pode ser mais do que proporcional ao mal que evitaremos. Nosso cuidado e esforço não podem ser infinitos, como é o mal do pecado; mas, ainda assim, deveria ser até ao limite de nossa força. Deveríamos usar cada método que tende a evitar o pecado. Isto é evidente para a razão. E não apenas a ela, mas também é positivamente requerido de nós na palavra de Deus: “Tende cuidado, porém, de guardar com diligência o mandamento e a lei que Moisés, servo do SENHOR, vos ordenou: que ameis o SENHOR, vosso Deus, andeis em todos os seus caminhos, guardeis os seus mandamentos, e vos achegueis a ele, e o sirvais de todo o vosso coração e de toda a vossa alma.” (Js 22.5) “Guardai, pois, cuidadosamente, a vossa alma...para que não vos corrompais.” (Dt 4.15,16) “Guarda-te, não te enlaces com imitá-las, após terem sido destruídas diante de ti.” (Dt 12.30) “Tende cuidado e guardai-vos de toda e qualquer avareza.” (Lc 12.15) “Aquele, pois, que pensa estar em pé veja que não caia.” (1 Co 10.12) “Tão somente guarda-te a ti mesmo e guarda bem a tua alma.” (Dt 4.9) Estes e muitos outros textos semelhantes das Escrituras, claramente requerem de nós a máxima diligência e cuidado possíveis para evitar o pecado.
Mas, como se pode dizer para alguém que use a máxima diligência e cuidado possíveis para evitar o pecado, se essa pessoa voluntariamente faz aquelas coisas que naturalmente expõem e levam ao pecado? Como se pode dizer a alguém que com o máximo cuidado possível evite um inimigo, se essa pessoa voluntariamente se coloca no seu caminho? Como se pode dizer a alguém que use o máximo cuidado possível para preservar a vida de seu filho, se essa pessoa permite que a criança vá até a beira de precipícios ou buracos; ou brinque às margens de um grande abismo; ou passeie em uma floresta assombrada por animais predadores?
2. É evidente que deveríamos evitar as coisas que expõem e levam ao pecado, pois um senso devido da malignidade do pecado e um ódio justo dele necessariamente terão este efeito sobre nós, para fazer-nos assim proceder. Se estivéssemos devidamente sensíveis da natureza maligna e terrível do pecado teríamos sobre nossas almas enorme horror a ele. Devemos odiá-lo mais do que a morte, e temê-lo mais do que o próprio diabo, e receá-lo assim como receamos a condenação. Ora, os homens naturalmente esquivam-se das coisas que temem; e evitam as coisas que, na sua apreensão, os deixam expostos. De modo semelhante, uma criança que ficou grandemente horrorizada com a vista de uma fera selvagem, de modo algum será persuadida a se aventurar em lugares onde perceba que se colocará em seus caminhos.
Assim como o pecado em sua própria natureza é infinitamente odioso, também em sua tendência natural é infinitamente terrível. É a tendência de todo pecado arruinar eternamente a alma. Todo pecado, por natureza, carrega consigo o inferno! Portanto, todo pecado deveria ser tratado por nós como trataríamos uma coisa que seja infinitamente terrível. Se o pecado de alguém, mesmo o menor dos pecados, não traz necessariamente consigo a ruína eterna, isso se deve tão somente à livre graça e misericórdia de Deus para conosco, e não à natureza e tendência do pecado em si.
Mas certamente não deveríamos tomar menos cuidado em evitar o pecado, ou tudo aquilo que leva a ele, por causa da liberalidade e grandeza da misericórdia de Deus por nós, pela qual há esperança de perdão. Isso seria, de fato, um abuso muito ingrato e vil da misericórdia. Fosse-nos dado a conhecer que, se alguma vez voluntariamente cometêssemos qualquer ato particular de pecado, seríamos condenados sem qualquer remédio ou escape, não seríamos extremamente temerosos de cometê-lo? Não seríamos muito vigilantes e cuidadosos em permanecer a maior distância desse pecado e de qualquer coisa que pudesse nos expor a ele, ou que tivesse alguma tendência em atiçar nossas luxúrias, ou nos trair para cometermos esse ato de pecado? Consideremos, então, que, embora o próximo ato voluntário de pecado conhecido não necessária e inevitavelmente resulte em condenação certa, contudo certamente a merece. Por ele merecemos, de fato, ser rejeitados, sem qualquer remédio ou esperança; e é apenas devido à livre graça que esse pecado não é certa e irremediavelmente seguido com tal punição. E seremos culpados de abuso tão vil da misericórdia de Deus por nós, a ponto de ela nos encorajar a mais ousadamente nos expor ao pecado?
3. É evidente que devemos não apenas evitar o pecado, mas também as coisas que expõem e levam a ele, pois é desta maneira que agimos quanto às coisas que pertencem ao nosso interesse temporal.
Os homens evitam não apenas aquelas coisas que são o desastre e a ruína de seus interesses temporais, mas também as coisas que tendem ou expõem a isso. Porque amam suas vidas temporais, não apenas realmente evitarão o suicídio, mas são bastante cuidadosos em evitar aquelas coisas que trazem perigo às suas vidas, embora nem sempre saibam se é certo que possam escapar. São cuidadosos em não atravessar rios e águas profundas sobre o gelo derretido, embora não saibam com certeza se não cairão e se afogarão. Não apenas evitarão aquelas coisas que seriam elas mesmas a ruína de suas propriedades – como pôr fogo em suas casas, e queimá-la totalmente com suas posses; pegar seu dinheiro e atirá-lo ao mar, etc. – mas cuidadosamente evitam aquelas coisas pelas quais suas propriedades são expostas. Vigiam-nas; são cuidadosos em escolher seus parceiros de negócios; são vigilantes que não sejam logrados em seus negócios, e procuram não se expor a pessoas tratantes e fraudulentas.
Se alguém estiver doente de uma enfermidade perigosa, cuida de evitar tudo que tende a agravar a doença; não apenas aquilo que sabe ser mortal, mas outras coisas que teme lhe possam ser prejudiciais. Os homens, por este modo, são afeitos a cuidar de seu interesse temporal. Portanto, se não formos tão cuidadosos em evitar o pecado, como somos em evitar o prejuízo de nosso interesse temporal, isso evidenciará uma disposição despreocupada com respeito ao pecado e ao dever; ou que não nos importamos tanto com o fato de pecarmos contra Deus. A glória de Deus é certamente de tanta importância e cuidado quanto nosso interesse temporal. É certo que deveríamos ser tão cuidadosos em não nos expor a pecar contra a Majestade do céu e terra, quanto os homens são propensos a cuidar de algumas poucas libras. Na verdade, estas últimas são apenas bagatelas comparadas com a primeira.
4. Somos afeitos a proceder desse modo pelos nossos queridos amigos terrenos.
Não somos apenas cuidadosos daquelas coisas que diretamente ameace a destruição de suas vidas, ou o seu prejuízo e calamidade. Mas somos cuidados em evitar as coisas que mesmo remotamente tendam a isso. Somos cuidadosos em prevenir todas as ocasiões que lhes representem perda; somos vigilantes contra aquilo que tende, de qualquer forma, a privá-los de seu conforto ou bom nome. E a razão é que eles nos são muito queridos. Desta forma, os homens são afeitos a ser cuidadosos do bom nome de seus filhos, e temem a aproximação de qualquer dano a que receiam estejam ou possam estar expostos. E ficaríamos muito tristes se nossos amigos não fizessem o mesmo conosco.
Certamente, deveríamos tratar Deus como um amigo querido. Deveríamos agir com relação a ele como quem lhe tem um amor sincero e cuidado não fingido. Assim, devemos vigiar e ser cuidadosos contra todas as ocasiões daquilo que é contrário a sua honra e glória. Se não for nossa índole e desejo assim o fazer, isso mostrará que, sejam quais forem nossas pretensões, não somos amigos sinceros de Deus, e não lhe temos verdadeiro amor. Se alguém nos tratasse desta maneira e não fosse cuidadoso de nossos interesses, ficaríamos ofendidos se esses tivessem professado amizade a nós; então, certamente, Deus pode justamente se ofender que não somos mais cuidadosos de sua glória.
5. Gostaríamos que Deus, em sua providência para conosco, não ordene aquelas coisas que tendem ao nosso prejuízo, ou exponha nossos interesses. Portanto, certamente deveríamos evitar aquelas coisas que levam ao pecado contra ele.
Desejamos e amamos ter a providência de Deus em relação a nós disposta de tal maneira que nosso bem estar seja assegurado. Homem algum ama ser exposto, viver na incerteza e em circunstâncias perigosas. Enquanto assim está, vive desconfortavelmente, pois vive em medo contínuo. Desejamos que Deus disponha as coisas a nosso respeito de tal maneira que possamos estar livre do temor do mal, e que mal algum se aproxime de nossas habitações; isso porque tememos a calamidade. Não amamos a aparência e aproximação desta, mas amamos que esteja a grande distância de nós. Desejamos que Deus nos seja como uma muralha de fogo ao nosso redor, para nos defender; e que nos cerque como as montanhas cercam o vale, para nos guardar de todo perigo ou inimigo, e que, desse modo, mal algum nos alcance.
Agora, isso nos mostra claramente que deveríamos, em nossa postura em relação a Deus, manter uma grande distância do pecado e de tudo o que expõe a ele, assim como desejamos que Deus, em sua providência conosco, mantenha a calamidade e a miséria a grande distância de nós, e não ordene que estas coisas exponham nosso bem estar.
6. Visto que devemos orar que não entremos em tentação, certamente não deveríamos nós mesmos correr para ela.
Esta é uma petição que Cristo nos orienta a fazer naquela forma de oração que ensinou aos discípulos: “Não nos deixe cair em tentação.” Quão inconsistentes seremos com nós mesmos se orarmos a Deus que não sejamos conduzidos à tentação, e, ao mesmo tempo, não formos cuidadosos em evita-la, mas nos conduzirmos a ela, fazendo aquelas coisas que levam e expõem ao pecado? Que autocontradição é para um homem orar a Deus que seja guardado daquilo que não toma cuidado algum em evitar! Orando que sejamos guardados da tentação, professamos a Deus que estar em tentação é algo a ser evitado; mas, ao correr para ela, mostramos que escolhemos o contrário, isto é, não evitá-la.
7. O apóstolo nos aconselha a evitar aquelas coisas que são em si mesmas lícitas, mas tendem a levar os outros ao pecado. Certamente, então, devemos evitar o que nos leva a nós mesmos ao pecado. O apóstolo aconselha: “Vede, porém, que esta vossa liberdade não venha, de algum modo, a ser tropeço para os fracos.” (1 Co 8.9) “Tomai o propósito de não pordes tropeço ou escândalo ao vosso irmão.” (Rm 14.13) “Se, por causa de comida, o teu irmão se entristece, já não andas segundo o amor fraternal. Por causa da tua comida, não faças perecer aquele a favor de quem Cristo morreu.” (Rm 14.15) “Não destruas a obra de Deus por causa da comida. Todas as coisas, na verdade, são limpas, mas é mau para o homem o comer com escândalo. É bom não comer carne, nem beber vinho, nem fazer qualquer outra coisa com que teu irmão venha a tropeçar ou se ofender ou se enfraquecer.” (Rm 14.20,21) Ora, se esta regra do apóstolo for conforme a Palavra de Cristo, como devemos supor, ou ao contrário deveríamos expurgar o que ele diz do cânon da Escritura, então, uma regra semelhantes obriga mais fortemente naquelas coisas que tendem a nos levar a nós mesmos ao pecado.
8. Há muitos preceitos da Escritura que direta e positivamente implicam que devemos evitar aquelas coisas que tendem ao pecado.
É exatamente isso que é ordenado por Cristo em Mateus 26.41, onde nos orienta a “Vigiar e orar, para que não entremos em tentação”. Mas, certamente, nos atirarmos à tentação é o oposto de vigiar contra ela. Somos ordenados a nos abster de toda aparência do mal, isto é, fazer com o pecado o mesmo que alguém faz com uma coisa cuja visão ou aparência abomine. Portanto, evitará qualquer coisa que se assemelhe com ela, e não se aproximará nem ficará a ela exposto.
Novamente, Cristo ordena que separemos de nós as coisas que são pedras de tropeço, ou ocasiões para o pecado, por mais queridas que nos sejam. “Se o teu olho direito te faz tropeçar, arranca-o e lança-o de ti”. (Mt 5.29)  “E, se a tua mão direita te faz tropeçar, corta-a e lança-a de ti”. (Mt 5.30) Pela mão direita que nos ofende, não quer dizer que ela nos cause dor; mas a palavra no original significa ser uma pedra de tropeço, isto é, corta-a, se tua mão direita se provar uma pedra de tropeço, ou ocasião para a queda, isto é, uma ocasião para o pecado.
As coisas que servem de ocasião para o pecado são chamadas de pedra de tropeço no Novo Testamento. Cristo nos diz que devemos evitá-las, por mais queridas que nos sejam, ainda que sejam tão caras quanto nossa mão ou olho direitos. Se houver qualquer prática que naturalmente tenda e exponha ao pecado, devemos nos livrar dela, ainda que nos seja extremamente amável, e estejamos muito relutantes em dispensá-la. Devemos fazê-los, ainda que seja tão contrário à nossa inclinação, como é cortar nossa própria mão direita, ou arrancar nosso olho direito, e isso pela dor da condenação; pois nos é declarado que se não o fizermos, devemos ir com as duas mãos e os dois olhos para o fogo do inferno.
Também Deus teve grande cuidado em proibir aos filhos de Israel aquelas coisas que tendiam a levar ao pecado. Por esta razão, proibiu que casassem com mulheres estrangeiras: “Nem contrairás matrimônio com os filhos dessas nações; não darás tuas filhas a seus filhos, nem tomarás suas filhas para teus filhos; pois elas fariam desviar teus filhos de mim, para que servissem a outros deuses; e a ira do SENHOR se acenderia contra vós outros e depressa vos destruiria.” (Dt 7.3-4) Por essa razão, foram ordenados a destruir todas aquelas coisas que as nações de Canaã usaram em sua idolatria, e se alguém fosse inclinado à idolatria, deveria ser destruído sem piedade, ainda que fosse o mais querido e próximo dos amigos. Deveriam não apenas ser entregues, mas apedrejados; sim, eles próprios deveriam cair sobre eles e leva-los à morte, mesmo que fosse filho ou filha, ou um amigo do peito: “Se teu irmão, filho de tua mãe, ou teu filho, ou tua filha, ou a mulher do teu amor, ou teu amigo que amas como à tua alma te incitar em segredo, dizendo: Vamos e sirvamos a outros deuses, que não conheceste, nem tu, nem teus pais”. (Dt 3.6)
Ademais, o sábio nos adverte a evitar aquelas coisas que tendem e expõem ao pecado, especialmente o pecado da impureza: “Tomará alguém fogo no seio, sem que as suas vestes se incendeiem? Ou andará alguém sobre brasas, sem que se queimem os seus pés? Assim será com o que se chegar à mulher do seu próximo; não ficará sem castigo todo aquele que a tocar”. (Pv 6.27,29) A verdade aqui apresentada é: evite aqueles costumes e práticas que naturalmente tendem a provocar a luxúria.
E há muitos exemplos na Escritura, que têm a força de preceito, registrados não apenas por seu valor, mas para nossa imitação. A conduta de José é um desses, e a do Rei Davi é outro: “Disse comigo mesmo: guardarei os meus caminhos, para não pecar com a língua; porei mordaça à minha boca, enquanto estiver na minha presença o ímpio. Emudeci em silêncio, calei acerca do bem, e a minha dor se agravou.” (Sl 39.1,2) Até mesmo acerca do bem! Ou seja, estava tão vigilante com suas palavras, e guardado a tal distância de falar o que pudesse de qualquer modo levá-lo ao pecado, que evitava em certas circunstâncias, falar o que era em si mesmo lícito; para que não fosse traído em direção àquilo que fosse pecaminoso.
9. Um senso prudente de nossa fraqueza e exposição para ceder à tentação nos obriga a evitar aquilo que leva e expõe ao pecado.
Quem quer que se conheça e esteja sensível do quão fraco é sabe como seu coração está cheio de corrupção, esse mesmo que, como combustível, está pronto a pegar fogo e trazer a destruição sobre si; sabe o quanto há dentro de si que o inclina ao pecado, e como é incapaz de sustentar-se a si mesmo. Quem está sensível disso, e tem alguma preocupação com seu dever, acaso não será bastante vigilante contra qualquer coisa que possa levá-lo e expô-lo ao pecado? Por este motivo, Cristo nos orienta: “Vigiai e orai, para que não entreis em tentação”. (Mt 26.41) A razão é acrescentada: a carne é fraca! Aquele que, confiando em sua própria força, ousadamente aventura-se no pecado, entrando em tentação, manifesta grande presunção e uma insensibilidade embrutecida de sua própria fraqueza. “O que confia no seu próprio coração é insensato.” (Pv 28.26)
Os mais sábios e mais fortes, e alguns dos mais santos homens no mundo, foram derrubados por essas coisas. Assim foi com Davi; assim foi com Salomão: suas mulheres perverteram seu coração. Se pessoas tão eminentes por sua santidade quanto essas foram desse modo levadas ao pecado, certamente deve servir de aviso para nós. “Aquele que pensa estar de pé, veja que não caia.”

Fonte:jonathanedwardsselecionados.blogspot.com.br/: